Pavilhão da Agricultura Familiar vai contar com 226 expositores

Pavilhão da Agricultura Familiar vai contar com 226 expositores

Acostumada a atrair multidões, Feira vai ofertar dezenas de produtos elaborados em pequenas indústrias caseiras

Taís Teixeira

Krawechuka prepara embutidos para a exposição e acredita que passará a ter lucro se vender pelo menos 400 peças

publicidade

O Pavilhão da Agricultura Familiar vai contar com 226 expositores acomodados em 199 bancas na Expodireto Cotrijal deste ano. O número significa mais um avanço de um espaço que ampliou as alternativas de negócios para a agroindústria familiar e caiu no gosto dos visitantes pela variedade de alimentos coloniais que oferece, entre os quais sucos, vinhos, licores, pães, cucas, geleias, embutidos de carne, lácteos, mel e peças de artesanato. A feira do ano passado contou com 182 empreendimentos.

A Feira da Agricultura Familiar na Expodireto conta com apoio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, que aportou R$ 250 mil para a montagem da infraestrutura no parque. “A gente vai patrocinar todo o espaço da agricultura familiar, que é um dos mais visitados da feira e permite que os agricultores vendam os seus produtos”, disse o secretário da Agricultura, Covatti Filho, no evento de lançamento da feira, no início de fevereiro. 

O assessor de Política Agrícola e Agroindústrias da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag), Jocimar Rabaioli, explica que, além da infraestrutura disponibilizada gratuitamente, os produtores recebem ajuda e orientação das entidades e sindicatos aos quais são filiados para participar do evento.

O agricultor familiar da cidade de Ijuí, Amauri Krawechuka, sabe que a Expodireto é o momento para mostrar a qualidade dos embutidos que produz há oito anos e faturar. “Participo há cinco anos. Em todos eles, sempre tive lucro. É uma oportunidade para abrir mercados, pois ali também já fiz novos negócios", afirma. Neste ano, Krawechuka vai levar 800 peças de embutidos e 350 de copa. Para ter lucro, ele calcula que precisa vender no mínimo 400 unidades. “Tenho certeza de que essa meta eu vou atingir”, afirma com a experiência que adquiriu nas edições anteriores da exposição.

Para outros agricultores, a Expodireto vai ser uma estreia. Há três anos produzindo suco de uvas e vinhos no município de Braga, Antônio Carlos Ferreira Júnior está motivado para expor pela primeira vez no pavilhão da Expodireto. “A expectativa é a melhor possível”, revela. “É a hora de colocar nossos produtos para um grande volume de pessoas”, afirma. Ele vai levar 600 garrafas para a feira e acredita que vai superar a meta de vender 350, suficiente para cobrir o custo de produção e da viagem para Não-Me-Toque. 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895