Feira de Novilhas abre com expectativa de bons preços
capa

Feira de Novilhas abre com expectativa de bons preços

Promotores estimam R$ 6 por quilo vivo em média durante evento

Por
Correio do Povo

Schardong observa que melhores preços incentivam o pecuarista a investir

publicidade

Com expectativa de atingir preços médios de R$ 6 pelo quilo vivo, foi lançada nessa segunda-feira, na Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), a 15ª Feira de Novilhas e Ventres Selecionados, que ocorre dia 29 de agosto, às 16h, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, durante a 42ª Expointer. Serão ofertados 500 animais de raças europeias e sintéticas.

Em 2018 foram comercializados 468 exemplares, pelo total de R$ 572,3 mil, com médias de R$ 4,87 para o quilo das novilhas prenhas, R$ 4,74 para novilhas e R$ 4,95 para terneiras. O coordenador da Comissão de Exposições e Feiras da Farsul, Francisco Schardong, comemorou que o evento chegue aos 15 anos num momento de transição para a pecuária, com melhor remuneração pelo boi gordo.

Segundo Schardong, o pecuarista está voltando a investir e sabe que o aumento de produção nasce pela aquisição de ventres. “Para ter animal de qualidade no campo, o pecuarista precisa de boas matrizes”, destacou, lembrando que o remate de novilhas é um balizador dos leilões de primavera, em outubro.

Para o subsecretário do Parque de Exposições Assis Brasil, José Arthur Martins, além de balizar preços, a feira demonstra a importância dos animais rústicos para Expointer. “Os rústicos representam resultado econômico para a feira e ganharam um novo olhar do produtor, que busca qualidade”, comentou.

Demanda por proteína 

Entre as razões para a melhora dos negócios no setor, o presidente da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac), Leonardo Lamachia, aponta o aumento de demanda por proteína animal pela China, gerado pela peste suína africana, e a exportação de gado em pé.

O pecuarista e exportador Mauro Pilz, da Estância Del Sur, de Capão do Leão, garante que mesmo que a exportação de gado vivo para países como Turquia, Egito e Malásia possa ser considerada “nicho”, ela tem melhorado a cotação interna e resultado num preço 15% maior no produto vendido para o exterior. “Por isso, alertamos o produtor que quer melhor rentabilidade para reservar parte de seus terneiros sem castrar, garantindo boas vendas no mercado externo”, reiterou.

A feira é realizada em parceria com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e com a leiloeira Santa Úrsula Remates, tendo Manoel Silva no comando do martelo. Banco do Brasil, Banrisul e Sicredi vão oferecer linhas de financiamento específicas para as aquisições.