Ginetes se acostumaram à máscara para competir ao Freio de Ouro

Ginetes se acostumaram à máscara para competir ao Freio de Ouro

Serão 34 ginetes disputando a final, que ocorre amanhã, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio

Correio do Povo

Ginetes devem usar máscara

publicidade

Na pista e na mangueira do Freio de Ouro, maior prova e ferramenta de seleção da raça Crioula, além de cumprir o protocolo que exige trajes específicos para a competição, os 34 ginetes que disputam a final, amanhã, devem usar máscara, item obrigatório para evitar a contaminação pelo vírus da Covid-19.

Os eventos da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC) chegaram a ser cancelados no dia 17 de março, devido à pandemia, mas retornaram três meses depois. “Desde então, exigiu-se o uso de máscara pelos ginetes no momento da disputa”, explica o presidente da ABCCC, Francisco Kessler Fleck. Os ginetes devem usar máscara inclusive no local de aquecimento, corredores e cocheiras. A ABCCC distribuiu 5 mil unidades para toda a equipe envolvida nas 12 etapas do campeonato.

Veterano de pista, o ginete Guto Freire afirma que competir de máscara não foi tão complicado, já que entende que boa parte do esforço é do cavalo – o que não quer dizer que tenha sido fácil. “Senti mais dificuldade na morfologia, em que temos que caminhar com os animais e ficar parados”, lembra. Em alguns momentos, a máscara até ajudou. “Nos meses mais frios, até esquentava o rosto.” O ginete Dudu Quadros, que vai conduzir quatro animais nesta edição, decidiu experimentar a máscara antes das provas, em casa. Ele testou alguns modelos com tecidos diferentes até encontrar uma adequada. “Causa um pouco de sufoco”, diz.

 

 


publicidade


publicidade


publicidade


publicidade


publicidade


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895