Terneira rejeitada surpreende na Expointer e conquista título
capa

Terneira rejeitada surpreende na Expointer e conquista título

Esperança, uma terneira Devon, foi salva da morte por cuidador

Por
Chico Izidro

Seu Joarez criou a terneira Esperança como um animal de estimação e conseguiu salvá-la da morte

publicidade

Juarez Antônio Rodrigues da Silva tem 57 anos, sendo que em 40 deles esteve presente, ininterruptamente, na Expointer. Nesta edição, viveu uma emoção que garante nunca ter sentido. Há 13 meses, ele decidiu pegar uma terneira que estava em fase terminal e salvá-la. E, agora, o animal conquistou o título de campeã terneira e reservada de grande campeã em Esteio.

“Quando encontrei a Esperança, ela estava com apenas dois dias e não havia sido amamentada pela mãe. Ou seja, apresentava anemia profunda e estava à beira da morte. Os donos da fazenda São Valentim me deram a vaquinha. Eu levei para casa”, lembra seu Juarez. “Criei a bichinha como se fosse um cãozinho de estimação no quintal de casa. No primeiro momento, ela foi alimentada com mamadeira, igual a uma criança. Também recebia muita ração, com bastante proteína e vitamina. E depois, já maiorzinha, foi amamentada até completar um ano por uma vaca da raça Jersey, sendo que ela é Devon”, explicou.

Juarez diz que a vaquinha ganhou o nome de Esperança porque tinha chances mínimas de sobreviver. “Agora decidimos inscrevê-la no concurso. E confesso, a gente esperava que ela se apresentasse bem aqui na Expointer, mas não a ponto de ser campeã”, destacou. “Foi uma baita surpresa e gratificante. Bom demais”, ressaltou.

Esperança é terneira da raça Devon, pesando 378 quilos (box 964). Ela foi campeã terneira, reservada de grande campeão, representando a Fazenda São Valentim, de Ibaraiaras, na Serra Gaúcha. O animal não se desgruda de seu Juarez, que andava orgulhoso pelos galpões da Expointer, não se cansando de contar a história de uma sobrevivente.

Seu Joarez conta, todo orgulhoso, a história de superação da terneira Esperança | Foto: Mauro Schaefer