Exportações de carne suína reduziram em 6,98%

Exportações de carne suína reduziram em 6,98%

Entre os fatores que geraram esta retração estão os negócios fechados com a China, que diminuíram em 40,4% nos primeiros cinco meses de 2022

Maria Amélia Vargas

O declínio dos embarques estrangeiros foi atenuado pelo crescimento de volumes importados para determinados países

publicidade

No balanço das exportações brasileiras de carne suína in natura, divulgado no início desta semana pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Governo Federal, as vendas para o exterior no acumulado do ano apresentaram redução de 6,98% em relação ao mesmo período de 2021. Entre os fatores que geraram esta retração estão os negócios fechados com a China, que diminuíram em 40,4% nos primeiros cinco meses de 2022.

Para o presidente da Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (Acsurs), Valdecir Folador, o resultado não surpreende, pois “o setor apresenta retração nas exportações desde o ano passado, e com a China retomando a suinocultura, após estabilizar a questão da peste africana, já esperávamos este resultado”. No entanto, o dirigente acredita em uma melhora neste cenário, com a abertura de novos mercados. “O Canadá, por exemplo, recentemente habilitou unidades frigoríficas de Santa Catarina para vender ao país. A tendência é de que esta resolução do país estrangeiro se amplie e chegue ao Rio Grande do Sul”, prospecta.

O declínio dos embarques estrangeiros foi atenuado pelo crescimento de volumes importados por países como Filipinas (+378%), Singapura (+58,4%), Argentina (+81,7%) e Tailândia (+2.288%), que totalizaram quase 50 mil toneladas a mais para estes destinos de janeiro a maio deste ano, em confronto com o mesmo intervalo de 2021.

Segundo o diretor executivo do Sindicato das Indústrias de Produtos Suínos (Sips), Rogério Kerber, deve haver uma recuperação nas vendas para o exterior nos próximos meses, visto que “já houve uma melhora significativa nos primeiros dias de junho. Além disso, passado o lockdown que fechou por 60 dias o maior porto do mundo, de Xangai, estamos confiantes na normalização dos negócios internacionais”, completa.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895