Ministra da Agricultura nega redução em demarcação de terras indígenas

Ministra da Agricultura nega redução em demarcação de terras indígenas

Tereza Cristina abrirá uma mesa de diálogo com objetivo de fortalecer o comércio com países árabes

Agência Brasil

Tereza Cristina disse que objetivo do novo governo foi reunir todos os temas fundiários na pasta da Agricultura

publicidade

A ministra recém-empossada da Agricultura, Tereza Cristina, negou hoje (2) que a inclusão da demarcação de terras indígenas para o rol de atribuições da sua pasta resultará na diminuição de terras demarcadas.  “De jeito nenhum, não vamos arrumar um problema que não existe”, afirmou a ministra. “É simplesmente uma questão de organização”, disse ela a jornalistas após tomar posse do cargo.



Ontem (1º), por meio de medida provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) foi transferido para o Ministério da Agricultura e passou a concentrar questões fundiárias antes dispersas por outros órgãos.

Entre as novas atribuições do Incra está a identificação, a delimitação e a demarcação de terras indígenas, função que cabia antes à Fundação Nacional do Índio (Funai), que agora se concentrará em políticas públicas voltadas aos indígenas e ficará sob responsabilidade do Ministério dos Direitos Humanos.

Segundo a ministra, o objetivo do novo governo foi reunir todos os temas fundiários na pasta da Agricultura. “Os assuntos fundiários, todos eles, seja o que for, estão vindo pra o Incra, toda parte, o mosaico de todas as terras brasileiras estarão sob a atuação do Incra”, disse ela.

Questionada sobre preocupações a respeito das exportações de carne a países árabes, devido a uma possível transferência da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, Tereza Cristina afirmou que já em sua cerimônia de posse conversou com diplomatas desses países, e que abrirá uma mesa de diálogo com objetivo de fortalecer o comércio.

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895