Pacote do Ministério da Agricultura para enfrentar a estiagem beneficia produtores gaúchos

Pacote do Ministério da Agricultura para enfrentar a estiagem beneficia produtores gaúchos

Medidas incluem renegociação das dívidas de custeio, prorrogação das parcelas de investimento e créditos para agricultores familiares e médios produtores

Nereida Vergara

publicidade

Os produtores rurais do Rio Grande do Sul atingidos pela estiagem podem procurar as instituições financeiras, a partir da próxima semana, para renegociar suas dívidas de custeio e a prorrogação das parcelas de investimentos vencidas no ano de 2020. As medidas de auxílio, apresentadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), em conjunto com as entidades representativas do setor, foram votadas na quarta-feira à noite pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e anunciadas ontem pelo ministério e pelo governo do Estado. A repactuação das dívidas de custeio pode ser feita com as mesmas taxas inicialmente contratadas e prazo de pagamento de sete anos, enquanto que as parcelas de investimento poderão ficar para o final do contrato. 

O secretário da Agricultura, Covatti Filho, acredita que as medidas atingirão boa parte dos produtores de soja, milho e leite, os mais impactados pela falta de chuva. Segundo Covatti, o governo vai continuar  trabalhando para flexibilizar o acesso às negociações, por enquanto reservadas aos produtores dos 134 municípios do Estado que tiveram seus decretos de emergência reconhecidos.

Além da renegociação das dívidas de investimento e custeio, o pacote beneficia os agricultores familiares enquadrados no Pronaf e os médios agricultores enquadrados no Pronamp com linhas de crédito especiais que podem ser contratadas até 30 de junho de 2020. No Pronaf, as taxas de juros serão de 4,6% ao ano, com prazo  de três anos e limite por produtor de R$ 20 mil. No Pronamp, as taxas são de 6% ao ano, três anos para pagamento e limite de R$ 40 mil.  Às cooperativas, cerealistas e agroindústrias, o governo decidiu conceder recursos para refinanciamento das dívidas dos associados por meio do Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor (FGPP), com limite de R$ 65 milhões por tomador do empréstimo e juros  que variam de 6 a 8%.

Entidades comemoram medidas

Entre as entidades que negociaram junto com o governo Estadual a pauta de reivindicações, as medidas do Mapa foram comemoradas.O presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Pereira, disse que o pacote é abrangente e deve minimizar os danos daqueles produtores que não têm os recursos do seguro. "Precisamos aperfeiçoar a questão da exigência do decreto de emergência reconhecido, mas o Mapa conseguiu dar uma resposta muito rápida aos nossos pleitos, com grande empenho da ministra Tereza Cristina ao nosso favor", destacou.

O presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias (Fecoagro/RS), Paulo Pires, admitiu que este talvez não seja o pacote perfeito, mas foi o possível para evitar que a economia rural sofresse uma ruptura de crescimento e investimento. Pires ressaltou que as cooperativas poderão renegociar as dívidas com os associados com a disponibilização dos R$ 65 milhões e com o retorno dos juros fixos, o que é importante.

A mesma expectativa é compartilhada pelo presidente da Associação das Empresas Cerealistas do Rio Grande do Sul (Acergs), Roges Pagnussat. O dirigente afirmou não ter ainda a confirmação de que o segmento vai poder acessar o crédito de R$ 65 milhões, mas disse esperar que as cerealistas, que atendem 50% dos produtores de grãos do Estado, também possam fazer as suas renegociações.

Já o presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais (Fetag/RS), Carlos Joel da Silva, reclamou da exigência de reconhecimento do decreto de emergência. "Os agricultores familiares não podem ser afetados pela morosidade do governo ou dos municípios. A homologação dos decretos não depende deles e eles não podem pagar esta conta”, apontou. Joel também questionou as taxas de juros fixadas pelo pacote, para ele "mais altas do que a taxa Selic".

"Veio em tempo o auxílio, em boa hora, pois muitos produtores estão entrando em depressão por causa das perdas", comentou o presidente da Associação dos Produtores de Soja do Rio Grande do Sul (Aprosoja/RS), Décio Teixeira. A soja, de acordo com o dirigente, deve ter uma quebra em pelo menos 50% da estimativa de colheita feita no início da safra e que apontava para uma produção de 19,9 milhões de toneladas. "Tomara os bancos implementem logo as medidas, para trazer alívio ao agricultor", concluiu.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895