Plantio do arroz começa com clima chuvoso no Rio Grande do Sul

Plantio do arroz começa com clima chuvoso no Rio Grande do Sul

Federarroz acredita em estabilidade da área plantada e possível queda na produtividade, já Irga promete estimativa de área em breve

Danton Júnior

Taxa cambial permite exportar grão com preço acima de R$ 70,00 a saca

publicidade

Em meio ao clima chuvoso, o plantio do arroz teve início nos últimos dias na Fronteira-Oeste do Rio Grande do Sul. Em outras regiões do Estado, os produtores têm se dedicado a preparar o solo e limpar os canais. A maior preocupação para a safra 2021/2022 é o aumento nos custos de produção, que pode chegar a até 35%, segundo entidade do setor.

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) aposta na estabilidade da área plantada, que na safra 2020/2021 foi de 946 mil hectares. O presidente da entidade, Alexandre Velho, acredita que a produtividade pode apresentar queda, já que a previsão de chuvas para os próximos dias ameaça atrasar o plantio. Soma-se a isso o fato de que, na última safra, o desempenho por hectare ficou próximo de 9 mil quilos, número considerado “fora da curva”.

Mas a grande preocupação do setor arrozeiro para o ciclo que se inicia é o aumento dos custos de produção. Dependendo do perfil do produtor, a elevação pode variar entre 10% e 35%, adianta Velho. O dirigente explica que o agricultor que adquiriu os seus insumos no mês de maio obteve preços melhores. Já aqueles que estão comprando agora, e que representam cerca de 40% dos produtores, terão outro impacto no custo. A diferença no preço dos produtos varia mais de 20% conforme a época do ano em que eles foram adquiridos. “Os produtos dolarizados, como o fertilizante e o agroquímico, subiram seus preços em dólar e isso se deve à demanda da soja”, relata Velho, referindo-se ao momento aquecido na produção da oleaginosa.

Quanto ao preço do grão, hoje na faixa dos R$ 70,00 a saca, Velho acredita que, com a taxa de câmbio atual, será possível exportar arroz por valores em torno de R$ 73,00. A orientação ao produtor é para intensificar o sistema de produção e a rotação com a soja. 

Segundo a diretora técnica do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), Flávia Tomita, as chuvas dos últimos dias trouxeram maior tranquilidade ao setor arrozeiro, uma vez que a possibilidade de déficit hídrico “estava deixando o produtor em estado de atenção”. Ela acredita que não deverá haver atraso no plantio, uma vez que a maior parte das lavouras são implantadas no mês de outubro. O Irga deve divulgar nos próximos dias uma estimativa de área plantada. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895