Polos ervateiros do Estado ganham nova configuração

Polos ervateiros do Estado ganham nova configuração

Atualização feita pela Seapdr e Emater constata que a cadeia produtiva está em 206 municípios entre o Vale do Taquari e a margem do Uruguai

Correio do Povo

publicidade

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e a Emater anunciaram ontem a nova configuração dos cinco polos ervateiros do Rio Grande do Sul. Os polos abrangem um total de 206 municípios e estão identificados como Missões/Celeiro; com sede em Palmeira das Missões; Alto Uruguai, com sede em Erechim; Nordeste Gaúcho, com sede em Machadinho; Alto Taquari, com sede em Ilópolis; e Região dos Vales, com sede em Venâncio Aires.

Segundo o agrônomo da Emater, Ilvandro Barreto Neto, a redefinição das áreas que concentram a produção de erva-mate no Estado foi necessária em função das mudanças ocorridas nos municípios produtores ao longo dos últimos anos. Barreto explica que, ao atualizar seus dados sobre a cultura, com auxílio do IBGE e de instituições ligadas à cadeia produtiva, a Emater constatou que há municípios que encerraram a produção, enquanto outros apostaram em novas plantações. “Agregamos também municípios que não têm produção de erva-mate, mas com potencial turístico, como São Miguel das Missões e Santo Ângelo, influências jesuíticas para a história do mate gaúcho”, informa.

No novo mapa da erva-mate do Estado, o maior polo é o Missões/Celeiro, com 80 municípios. O menor é o da Região dos Vales, com oito. A maior área cultivada fica no polo do Alto Taquari, com 19.319 hectares. Nos cinco polos, os ervais somam 31.695 hectares, que neste ano produzirão 277 mil toneladas de folhas, já descontadas as perdas da estiagem


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895