Prejuízo nas lavouras de soja chega a R$ 27 bilhões

Prejuízo nas lavouras de soja chega a R$ 27 bilhões

Segundo boletim da Emater, efeitos do clima fizeram a cultura perder 43,8% da produção estimada

Nereida Vergara

Balanço aponta que 257 mil propriedades foram atingidas pela estiagem

publicidade

A Emater/RS-Ascar calcula que o prejuízo financeiro nas lavouras de soja do Rio Grande do Sul na Safra de Verão 2021/2022 já chegue a R$ 27,8 bilhões. Os efeitos do clima fizeram a cultura perder 43,8% sobre a produção estimada inicialmente, de 19,9 milhões de toneladas, chegando na segunda semana de fevereiro em 11 milhões de toneladas do grão. Na cultura do milho, a produção deve ser de 2,7 milhões de toneladas, uma redução de 54,7% em relação à estimativa inicial, de 6,1 milhões de toneladas, o que representa uma perda de R$ 5,2 bilhões. 

Os números foram divulgados no último sábado na terceira edição do Boletim Evento Adverso – Efeito da Estiagem nas Principais Atividades Agrícolas do Rio Grande do Sul e na Segunda Estimativa da Safra de Verão. A pesquisa de campo ocorreu entre os dias 25 de janeiro e 4 de fevereiro nas unidades operativas da Emater. 

O Boletim Adverso aponta que 257 mil propriedades foram atingidas pela estiagem, sendo que 17,3 mil famílias estão com dificuldades de acesso à água. No levantamento de 24 de janeiro, eram 253 mil propriedades atingidas pela seca. O número de produtores prejudicados no cultivo de milho ultrapassou os 98 mil, 5 mil produtores a mais que na última apuração. Na soja, as perdas chegaram a 88 mil produtores, contra 82,4 mil contabilizados em janeiro.

A Emater também evidencia o elevado número de produtores de leite que tiveram a atividade afetada pela falta de chuvas. No levantamento passado, 27,2 mil produtores que entregam leite para a indústria acusavam quebra. No levantamento desta semana, a perda chegou a 33,1 mil produtores, cerca de 75% dos produtores hoje ativos na cadeia leiteira. Até este sábado, 404 municípios gaúchos tinha situação de emergência decretada pela Defesa Civil do Estado.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895