Principais culturas de inverno deverão ter incremento de área e de produção no RS
capa

Principais culturas de inverno deverão ter incremento de área e de produção no RS

Superintendência da Conab divulgou 10º levantamento da produção nacional de grãos

Por
Danton Júnior

Conab calcula uma produção de 1,936 milhão de toneladas de trigo

publicidade

As principais culturas de inverno deverão ter incremento de área e de produção no Rio Grande do Sul nesta safra, com exceção da canola. A projeção é da Superintendência da Conab no Rio Grande do Sul, que divulgou hoje o 10º levantamento da produção nacional de grãos. O levantamento, realizado na última semana de junho, foi o primeiro do atual ciclo executado a campo. 

A projeção para a aveia grão é de 677,2 mil toneladas, o que representa crescimento de 11,1% em relação ao ciclo passado. A semeadura está praticamente concluída e as lavouras encontram-se em desenvolvimento vegetativo e início de florescimento. Na cevada, estima-se uma safra de 152,9 mil toneladas, uma alta de 15,8%. A semeadura já passa de 85%. O grão destinado a ração não foi levado em conta no levantamento. No caso do trigo, a principal cultura de inverno, a Conab calcula uma produção de 1,936 milhão de toneladas, 3,4% superior ao obtido no ano passado. A área projetada é de 702,2 mil hectares, 3% maior do que em 2018. Segundo o assistente da superintendência no Rio Grande do Sul, Carlos Roberto Bestetti, esta área pode aumentar ainda mais, uma vez que o clima está favorável ao cultivo. 

No caso da canola, a estimativa da Conab é de redução tanto na área (1,1%), quanto na produtividade (1,2%) e na produção (2,5%). As lavouras devem alcançar 34,4 mil hectares, com produção total de 47,5 mil toneladas, com média de 1,3 mil quilos por hectare. Segundo Bestetti, o preço da canola equipara-se ao da soja (na faixa de R$ 70 a saca), porém a cultura enfrentou problemas de comercialização no ano passado. "Produzindo acima de 1,2 mil quilos por hectare, ela já é lucrativa", explica. Características específicas do cultivo, como o tamanho reduzido da semente, faz com que os equipamentos tenham que estar bem ajustados para não haver perdas. 

Estoques

A Conab também divulgou as estimativas de oferta e demanda dos principais produtos agropecuários. No caso do arroz, o estoque de passagem é calculado em 381 mil toneladas no país. No ano passado, o volume era de quase 700 mil toneladas. A principal causa é a quebra de mais de 1 milhão de toneladas na safra gaúcha. "Ficou bastante ajustado, embora não se fale em falta do produto", disse Bestetti. O milho conta com um estoque considerado alto, de 18 milhões de toneladas. Porém, no início do ano havia a projeção de exportar 31 milhões de toneladas. Até o momento, segundo a Conab, foram exportados apenas 9 milhões de toneladas, o que aponta que a estimativa inicial pode não ser cumprida. "Se esse milho não for exportado ou destinado à produção de etanol, por exemplo, ele pode ficar no mercado e impactar no preço do produto interno", observou Bestetti.