Reunião debate disseminação do coronavírus entre trabalhadores de frigoríficos
capa

Reunião debate disseminação do coronavírus entre trabalhadores de frigoríficos

Pelo menos quatro estabelecimentos estão parados ou com a capacidade de produção reduzida

Por
Correio do Povo

Reunião com governador Eduardo Leite discutiu situação dos frigoríficos

publicidade

Uma reunião por videoconferência, na manhã deste sábado, discutiu disseminação do coronavírus entre trabalhadores de frigoríficos e medidas para evitar a interrupção das atividades desses estabelecimentos e a necessidade de abates sanitários. Participaram do encontro o governador Eduardo Leite, os secretários Arita Bergmann (Saúde), Covatti Filho (Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural), Artur Lemos Júnior (Meio Ambiente e Infraestrutura) e Claudio Gastal (Governança e Gestão Estratégica) e o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa.

De acordo com Leite, medidas deverão ser definidas ainda neste fim de semana. Atualmente, pelo menos quatro frigoríficos – dois em Lajeado, um em Passo Fundo e outro em Garibaldi – estão parados ou com a capacidade de produção reduzida em função da contaminação de funcionários e consequentes liminares a partir de ações Ministério Público do Trabalho e de outros órgãos. Outras unidades também precisam apresentar, até o começo da próxima semana, plano de medidas e de regras sanitárias que estão adotando para proteger a saúde dos funcionários e para evitar a interrupção de serviços.

No fim de abril, o governo do Estado divulgou uma portaria com regras para indústrias de todos os portes, a fim de conter possíveis transmissões em espaços industriais e evitar que o coronavírus se espalhe nesses ambientes. Cada empresa precisou criar seu próprio Plano de Contingência para prevenção, monitoramento e controle da doença. Nesta semana, a partir de orientação técnica do Ministério da Saúde e do Ministério da Agricultura, alguns ajustes são realizados pelo Estado para adequar as regras.

De acordo com o informações recebidas pelo Estado, se a situação não for resolvida e o fechamento de alguns frigoríficos por ordem judicial for mantido, somente em Lajeado, poderá ocorrer, nas próximas semanas, o abate de 4,5 milhões de aves e quase 50 mil suínos, já a partir de segunda-feira (11/5).

“Queremos garantir que haja, nesses estabelecimentos, o cumprimento de todas as exigências de proteção à saúde dos trabalhadores para evitar a disseminação do vírus. É importante também que o serviço essencial de produção de proteína animal não seja interrompido para não corrermos o risco de desabastecimento à população e também de um abate sanitário, além de evitarmos perda de empregos e de geração de riqueza”, afirmou o governador.

Secretário da Agricultura, Covatti Filho destacou a necessidade de exigir todos os cuidados de proteção aos trabalhadores e lembrou que o fechamento das plantas pode acarretar falta de abastecimento para o mercado interno, transtornos na exportação dos produtos e também um problema ambiental com o represamento dos animais dentro das propriedades, efeitos prejudiciais para o Estado.