Transporte rodoviário de cargas do agro cresce 46%

Transporte rodoviário de cargas do agro cresce 46%

Dados se baseiam na analise de 8 milhões de viagens publicadas na plataforma FreteBras e mostram o peso do setor na economia do país

Patrícia Feiten

publicidade

O transporte rodoviário de cargas do agronegócio aumentou 46,9% no Brasil em 2021 na comparação com o ano anterior, de acordo com dados da plataforma on-line de fretes FreteBras, que opera na América do Sul. No caso do Rio Grande do Sul, o salto foi ainda maior – o volume de fretes para atender ao setor avançou 59% no período. O levantamento se baseia na análise de 8 milhões de viagens publicadas na plataforma no ano passado, o que corresponde a R$ 63 bilhões em fretes contratados em todo o país.

Com sede em Catalão (GO), a FreteBras soma mais de 640 mil caminhoneiros cadastrados e 17 mil empresas assinantes, e os fretes ofertados na plataforma cobrem 95% do território brasileiro. Segundo o diretor de Operações da empresa, Bruno Hacad, o levantamento demonstra o peso do agronegócio no transporte rodoviário de cargas. O setor representou quase 40% da oferta nacional de fretes na plataforma. Das 640 mil viagens que partiram do Rio Grande do Sul em 2021, 67% foram para movimentação de produtos agropecuários. “Isso equivale a cerca de R$ 3,4 bilhões em valores de frete”, afirma Hacad.

Entre os produtos agropecuários mais representativos no volume de fretes com origem no Rio Grande do Sul, o destaque foi a soja, com 22% do total. Na sequência vêm fertilizantes (21%) e trigo (20%). 

Em todo o país, os itens mais transportados para o agronegócio foram fertilizantes (31%), milho (10%) e soja (9%). “A plataforma acaba sendo um bom reflexo de como o mercado está se comportando”, diz Hacad. Mesmo com as perdas de safra decorrentes da estiagem e as dificuldades na importação de insumos agrícolas, os transportes do agronegócio começaram o ano em alta no país, observa o executivo. Em janeiro deste ano, o setor respondeu por 38% das contratações de viagens pela FreteBras, ante 31% do mesmo mês de 2021.

Para o coordenador da Comissão de Infraestrutura e Logística da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Fábio Avancini Rodrigues, os dados do levantamento refletem a digitalização da agricultura e dos processos ligados ao setor. O transporte de cargas acompanha a tendência, com a expansão dos sistemas que facilitam relações comerciais, proporcionando redução de tempo e custos financeiros. “(A digitalização) diminui os intermediários, possibilita a negociação do valor dos fretes, isso tudo é ganho logístico”, avalia Rodrigues.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895