Sete de oito vacinas obrigatórias estão com cobertura abaixo da meta em crianças

Sete de oito vacinas obrigatórias estão com cobertura abaixo da meta em crianças

Distribuição de fake news é uma das causas de procura menor pelas imunizações

R7

Desinformação aumenta resistência a levar crianças para postos de saúde

publicidade

Sete de oito vacinas obrigatórias para crianças estão com cobertura abaixo da meta, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira. Somente a vacina BCG, contra tuberculose e ministrada ao nascer, apresentou 95% de imunização em 2018. As outras sete vacinas são a tríplice viral, meningocócica C, pneumocócica, poliomielite, pentavalente, rotavírus e hepatite A.

A tríplice viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola, alcançou índice de vacinação de 90,5% do público-alvo. A maior cobertura foi registrada no Ceará, de 107%, e a menor, no Maranhão, de 82%. Já a meningocócica C foi de 86%. O Estado com maior cobertura também foi o Ceará, de 105%, e a menor, o Pará, de 63%.

Em relação à pneumocócica, a imunização chegou a 91,5% - vale lembrar que a meta do governo é de 95%. O Ceará mais uma vez é lider de vacinação, com cobertura de 109%, e a Bahia com a cobertura mais baixa, de 82%. A vacina contra a poliomielite só alcançou 86%. No Ceará, a cobertura foi de 102% em contraponto com o Pará, de 66,5%.

Os índices da pentavalente se aproximam da vacina da pólio. A cobertura nacional foi de 85%, sendo Ceará o Estado com maior imunização, de 99% e o Pará, de menor, de 55%. O mesmo ocorre com a vacina contra o rotavírus. Cobertura nacional de 88%, sendo o Ceará com 105,5% e o Pará com 69%. Por fim, a vacina contra a hepatite A alcançou 81% de cobertura. Nesse caso, o Estado com melhor índice foi Mato Grosso do Sul, com 91%, e o pior o Pará, com 65%.

Vacinas infantis registram queda desde 2011

O Ministério afirma que todas as vacinas destinadas a crianças menores de 2 anos vem registrando queda desde 2011, com maior redução a partir de 2016. Segundo a pasta, um dos fatores que levou a isso foi a disseminação de fake news. "A resistência à vacinação é uma preocupação, pois a difusão de informações equivocadas e sem baseamento científico podem contribuir para a decisão de não vacinar. É importante destacar que o principal perigo em ter baixas coberturas vacinais é o risco de reintrodução de doenças já eliminadas no país", afirmou o Ministério por meio de nota.

A pasta também atribui a baixa cobertura vacinal em crianças ao próprio sucesso das ações do Programa Nacional de Imunizações. "O fato de algumas doenças terem sido eliminadas ou terem baixa ocorrência no país, como a poliomielite, por exemplo, causou uma falsa sensação de que não há mais necessidade de se vacinar porque a população mais jovem não conhece o risco", disse por meio de nota.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895