Transtornos e falta de informação marcam interrupção de viagens da Trensurb

Transtornos e falta de informação marcam interrupção de viagens da Trensurb

Estações Mercado, Rodoviária e São Pedro foram as mais prejudicadas

André Malinoski

Casal de idosos foi surpreendido pela interrupção do serviço

publicidade

Um acidente envolvendo um caminhão vindo de Tapes carregado de toras de madeira em uma das alças da ponte do Guaíba ocasionou nesta sexta-feira a interrupção das viagens da Trensurb. O veículo não venceu uma curva e tombou, atingindo a rede de energia dos trens. O motorista não sofreu nada, mas sua esposa gestante despencou de uma altura de sete metros e teve graves ferimentos. A madeira também caiu da mesma altura. Três estações ficaram desabastecidas a partir das 13h30min – Mercado, Rodoviária e São Pedro. A maior reclamação das pessoas foi pela falta de informação sobre o que acontecia. A Estação Farrapos ficou sobrecarregada pelos passageiros das demais.

A paralisação dos trens ocasionou transtornos para muita gente. O casal de idosos Eloide Marques, 74 anos, e Rider Marques, 82 anos, foi surpreendido ao chegar no acesso da Estação Rodoviária e dar de cara com um cartaz dizendo que as viagens estavam paralisadas. “Era para irmos até Canoas, mas não sei como faremos agora”, disse Eloide. “Para quem é jovem não tem problema, mas e os velhos?”, questionou. No mesmo local, o estudante Jonatha Bueno, 19, estava chamando um aplicativo que dividiria com outras pessoas surpreendidas com a situação. “Preciso ir até Novo Hamburgo. Vou chamar um Uber até a Estação Farrapos e tentar pegar o trem lá”, planejava.

Na Estação Mercado havia muitos passageiros que não sabiam do problema. A aposentada Ana Matos, 61, queria se deslocar até Sapucaia do Sul. “Estou há um tempão também esperando o aplicativo e nada”, reclamou, contando que ocorreu um tumulto na descida do trem quando iniciou o problema. Na Estação São Pedro a situação era parecida. A dona de casa Graziela da Silva Silveira, 31, estava bastante irritada. “Estou sem dinheiro e somos em oito pessoas aqui. Precisamos ir para São Leopoldo e não sei como fazer”, disse. Ao lado de fora da estação havia cerca de 15 pessoas em torno das 14h30min pensando em como chegar aos seus destinos. A trabalhadora da área administrativa Kathleen Oliveira, 23, e a fisioterapeuta Laisa Felipe, 31, tentavam ir para Canoas. “Estou tentando chamar um Uber”, lamentava Laisa.

O problema nessas estações sobrecarregou a Estação Farrapos, onde grande fluxo de pessoas foi registrado na plataforma de embarque. A aposentada Maria Antônia, 65, vinha da Estação Fátima em direção ao Mercado. Precisou descer na Estação Farrapos e pegar um ônibus para completar o trajeto. “Paguei pela viagem até o fim. E agora ficamos deste jeito”, afirmou. A aposentada Maria Duarte, 68, que vinha da Estação Niterói em direção à Rodoviária também estava desapontada. Teve de descer na Farrapos. “Estou a mais de uma hora aqui e preciso chegar logo ao meu destino”, lamentou. A desempregada Paola Nunes, 21, embarcou em Sapucaia do Sul em direção ao Mercado. “O trem parou na Estação Farrapos e ninguém nos avisou nada. Só mandaram descer”, protestou enquanto esperava um ônibus no lado de fora da estação.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) foi acionada para transportar os passageiros desabastecidos em ônibus expressos pelo serviço de trem entre o Mercado e a Farrapos. A partir das 16h, a Trensurb paralisou todo o sistema para a retirada da tela que havia caído sobre a rede de energia. Os trens voltaram a circular em torno das 17h30min.


Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895