Escolas privadas de ensino infantil têm desafios na volta às aulas

Escolas privadas de ensino infantil têm desafios na volta às aulas

Correio do Povo

Aulas da educação infantil retornam na próxima semana no RS

publicidade

O longo período sem aulas não foi só de portas fechadas e salas vazias para as escolas infantis. A Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) estima que, entre março e setembro, 10% das escolas já tenham fechado e 60% dos trabalhadores que atendiam crianças de 0 a 5 anos estejam hoje sem emprego. O impacto de demissões, fechamentos e quebras de matrículas tem um único motivo: a pandemia do coronavírus. 

Na próxima semana, dia 8 de setembro, as escolas de educação infantil do Rio Grande do Sul já poderão voltar a receberem seus alunos. Para isso, precisam atender a uma série de protocolos de segurança sanitária. O retorno também acontece em meio à resistência de entidades, federação de municípios e sindicatos gaúchos.

Para discutir os desafios deste cenário, o Direto ao Ponto desta quarta-feira conversou com a vice-presidente do Sindicreches RS, Talina Fraga Romano e com o presidente da Federação Nacional de Escolas Particulares, Ademar Batista Pereira.

Ouça:

 

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895