Vazão de afluentes e chuva podem gerar cheia de grandes proporções no Guaíba

Vazão de afluentes e chuva podem gerar cheia de grandes proporções no Guaíba

Alerta emitido hoje pela MetSul indica elevação significativa do nível das águas nos próximos dias

Por
Jonathas Costa

Nível do Rio Caí, o principal afluentes do Guaíba, alcançou quase 15 metros nesta quinta-feira


publicidade

Porto Alegre está em atenção máxima com a alta do nível das águas do Guaíba, que marcou na noite desta quinta-feira 2,23 metros no Cais Mauá. O patamar limite para o início das cheias nas ilhas da Capital, no delta do Jacuí, é de 2,10 metros. A situação, contudo, deve se agravar nos próximos dias, conforme alerta emitido pela MetSul, que indica uma cheia “de grande proporções e potencialmente histórica”, uma vez que as condições hidrológicas e meteorológicas apontam para o agravamento da situação na próxima semana. 

O nível das águas já está alto devido à vazão elevada decorrente ao ciclone da semana passada e por efeito do vento Sul. Os elevados volumes de chuva desta semana no Estado, contudo, devem impactar no Guaíba apenas nos próximos dias, conforme prognóstico do serviço meteorológico. 

Todos os afluentes do Guaíba passam por cheias, a maioria de grande porte. O principal deles, o Jacuí, está muito alto no Centro do Estado e já produziu inundações entre Restinga Seca e Agudo após precipitações de 150 mm a 200 mm em suas nascentes. O Taquari, que tem relevante impacto no Guaíba, enfrenta sua terceira maior cheia em um século, apenas atrás dos registrados em maio de 1941 (29,92 metros no porto de Estrela) e abril de 1956 (28,86 metros). Nesta quinta-feria, a medição no porto de Estrela apontou 27,55. Já o nível do rio Caí está perto de 15 metros, o maior em uma década. 

O tempo para que estes elevados níveis de água dos rios alcance a Região Metropolitana, somado a novos eventos climáticos, sustentam o alerta. O Rio dos Sinos, por exemplo, também registra grande cheia, mas que ainda não se manifestou no vale. Segundo a MetSul, a vazão das nascentes vai alcançar Campo Bom, Novo Hamburgo e São Leopoldo para, na sequência, avançar para Sapucaia do Sul, Esteio e Canoas antes de finalmente chegar no Guaíba. O mesmo ocorre com o rio Gravataí, que apresenta cheia depois de mais dos 100 mm de chuvas que atingiram o Litoral e cuja vazão, assim como no caso do Sinos, ainda não teria alcançado a Grande Porto Alegre.

A chegada destes volumes maiores pelos afluentes é aguardada justamente no momento em que a Região Metropolitana enfrentará mais períodos de chuva. De acordo com a MetSul, são esperadas precipitações com altas acumuladas durante o final de semana em Porto Alegre. 

A situação se agrava também com a chegada de uma forte massa de ar polar na primeira metade da semana que vem, o que deve intensificar o vento Sul na região. Historicamente esta direção do vento aumenta o nível do Guaíba entre 20 cm e 40 cm, em média. “O episódio coincidindo justamente com o período de pico da cheia pode agravar sobremaneira a situação hidrológica e provocar marcas históricas”, diz a MetSul. 

Nesta quinta-feira a Defesa Civil Estadual emitiu dois alertas para possibilidade de inundações para Porto Alegre e Região Metropolitana. Segundo coordenadoria, o aviso é válido para as próximas 48 horas.

Confira no vídeo publicado pela MetSul detalhes sobre o alerta: