Farol de Cidreira é importante aliado dos navegantes gaúchos

Farol de Cidreira é importante aliado dos navegantes gaúchos

Localizada no bairro Nazaré, a estrutura é um dos cartões-postais do Litoral Norte

André Malinoski

A torre de 30 metros, adquirida da França, foi erguida em 1933

publicidade

O Farol de Cidreira, inaugurado em 1º de maio de 1907, é um dos cartões-postais do Litoral Norte gaúcho. Localizado no bairro Nazaré, a estrutura de concreto possui 30 metros de altura e as faixas helicoidais nas cores vermelha e branca.

“A importância para os navegantes é que, percebendo o lampejo do farol, eles sabem que estão perto da terra”, explica o sargento Cleberson Vargas Witcel, de 33 anos, chefe responsável pelo Farol de Cidreira desde fevereiro de 2021. O Rio Grande do Sul conta com 23 faróis (20 costeiros e três na Lagoa dos Patos). Desses, oito são guarnecidos. 

No período entre os anos de 1882 a 1916, foram adquiridas 22 torres de ferro fundido da Inglaterra. A 12ª a ser instalada no Brasil foi a de Cidreira. Em abril de 1905, foi encomendado um farol de torre de ferro com aparelho de luz junto à Casa Barbier, Bernard e Turenne (BBT) de Paris, destinado para a Praia de Pernambuquinho, atualmente Cidreira.

A torre cilíndrica atual, que lembra um foguete apontando para o alto, passou por transformações sendo erguida em 1933. O aparelho luminoso automático aposentou o velho bico de chama BBT, que consumia 2.028 litros de querosene por ano.

Quem visita o local percebe os cuidados para a preservação do farol, que está cercado por um pequeno muro com tela. Essa é uma das funções do faroleiro responsável por sua manutenção estrutural e zeladoria.

“Realizei curso técnico de faroleiro e fiz oito guarnições de faróis no Rio de Janeiro antes de vir para cá”, cita Witcel, que mora em uma casa de serviço de sinalização náutica do Sul da Marinha do Brasil situada a poucos metros do farol. Ao menos uma vez por semana, o chefe analisa a estrutura e avarias do farol.

Em função da pandemia da Covid-19, o local não recebe público para visitas há quase dois anos. Antes, mediante autorização da Marinha, eram proporcionadas idas ao farol, situado na avenida Fausto Borba Prates, nº 5.216, para as crianças das escolas. Também aconteciam atividades promovidas pela Secretaria da Cultura do município.

Importante instrumento de sinalização náutica, o Farol de Cidreira possui o alcance geográfico (limite de distância que o navegante consegue avistar o farol durante o período diurno) de 27,7 quilômetros. Por sua vez, o alcance luminoso (limite de distância que o navegante enxerga o farol de noite) é de 37 quilômetros.

A altitude focal é de 33 metros. Uma alternância de luz branca com lampejo de meio segundo e um período de 5,5 segundos apagado dão vida ao aliado dos navegantes pelos mares gaúchos.



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895