Infestação de água-viva esgota estoque de vinagre em guaritas do Litoral Norte
capa

Infestação de água-viva esgota estoque de vinagre em guaritas do Litoral Norte

Corpo de Bombeiros pede que veranistas levem seu próprio produto para a praia

Por
Correio do Povo

Foram registradas 26.218 lesões em apenas nove dias de veraneio

publicidade

O estoque de vinagre usado pelos guarda-vidas para o socorro imediato de lesões com água-viva esgotou nesta segunda-feira no Litoral Norte gaúcho. A indicação do Corpo de Bombeiros é que os veranistas levem seu próprio vinagre – dentro de um borrifador – para a praia. A grande incidência de lesões – 26.218 casos em nove dias – surpreendeu a corporação. O retorno do produto às guaritas devem ocorrer apenas após o Ano Novo.

Devido o aumento das incidências em relação ao ano passado, com base nos relatos dos banhistas lesionados, algumas medidas foram readequadas. Segundo o major Antunes, do Corpo de Bombeiros, o crescimento no número de casos em relação ao ano anterior é impulsionado pelo tempo firme de sol nas praias. "Ano passado tivemos chuva nos dois feridos, por isso não houve muitos relatos de queiamaduras", destacou. Nas primeiras horas do dia, o guarda-vidas faz uma inspeção na água e sinaliza, quando necessário, a ocorrência da infestação do animal. Outros pontos da praia passam a ganhar a bandeira roxa de alerta conforme vão chegando os relatos de queimaduras nas guaritas.

O Corpo de Bombeiros, conforme Antunes, não realiza o mapeamento da presença de águas-vivas nas praias. "Como trabalhamos com base nos relatos, é possível dizer que há maior número de ocorrências nas praias que recebem mais banhistas, como Capão da Canoa e Tramandaí", destacou.

A operação RS Verão Total iniciou no dia 21 de dezembro. 


Foto: Alina Souza