Mesmo com advertências, banhistas aproveitam veraneio no Lago da Jazida

Mesmo com advertências, banhistas aproveitam veraneio no Lago da Jazida

Acesso ao público não é permitido e não há guarda-vidas no local

Chico Izidro

Lago da Jazida fica às margens da RS 786, no km 2, em Balneário Santa Terezinha

publicidade

Escondido atrás de uma pequena floresta, às margens da RS 786, no km 2, em Balneário Santa Terezinha, em Imbé, no Litoral Norte gaúcho, encontra-se um lago artificial, batizado de Lago da Jazida. Ali muitas pessoas trocam as águas salgadas do mar por água doce, sem ondas, e descumprem determinações dos bombeiros, para se banhar nos dias quentes de verão. 

O acesso ao público não é permitido, uma vez que não há guarda-vidas no local e as águas são um pouco profundas – no ano passado, um jovem acabou morrendo afogado em suas águas. Algumas barreiras foram colocadas na entrada da lagoa, como morros de areia e postes derrubados, para evitar que os veranistas acessem de carro o lago. Porém as pessoas deixaram os seus veículos à beira da estrada, e entraram caminhando.

Veja Também

Mas Celci Martins da Silva, moradora de São Leopoldo, mas veraneando em Mariluz desde novembro do ano passado, disse que o importante é “se divertir”. “Por favor, que as autoridades não proíbam a gente de vir aqui”, pediu. “Este é um local de lazer para os pobres”, acrescentou ela, que costuma se banhar na lagoa, e traz junto toda a família. “Venho e trago meu esposo, irmãs, sobrinhos, netos”, enumerou. “E preferimos a lagoa do que o mar. Nem dá para comparar”, garantiu. 

Foto: Guilherme Almeida

De acordo com ela, o Lago da Jazida é tranquilo, afastado do tumulto, não existem aglomerações, nem os ambulantes tentando empurrar suas mercadorias. “Aqui é o paraíso. Um lugar limpo. Nosso Caribe”, brincou Celci.

Ela disse que todos da família sabem dos acidentes que ocorrem no lago. Porém, são orientados a não passar de determinada distância da beira. “Ninguém vai lá no meio, que é fundo e cheio de galhos de árvores”, destacou. O Lago da Jazida ainda é de água doce, “e não existe o risco de cruzarmos com algum animal perigoso”, afirmou. 

O local ficou ainda mais seguro, completa a são-leopoldense, depois que um tubarão-raposo de dois metros foi encontrado na vizinha Imbé. “Sei que eles não costumam atacar seres humanos, mas nos confundem com as suas caças preferidas, e só isso já basta para a gente preferir vir para cá ao invés do mar”, finalizou.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895