Veranistas curtem festas de Carnaval no Litoral gaúcho
capa

Veranistas curtem festas de Carnaval no Litoral gaúcho

Milhares de foliões marcaram presença em Tramandaí e Capão da Canoa

Por
Chico Izidro

Carnaval festejado no Calçadão de Capão da Canoa teve música eletrônica

publicidade

As praias de Tramandaí e Capão da Canoa ficaram lotadas no domingo à noite, em suas festas de Carnaval, que não foram nada tradicionais. Eram milhares de foliões nos dois balneários, que dançaram muito, não ao som das antigas marchinhas carnavalescas, mas sob os ritmos de sertanejo, funk, música eletrônica e axé music.

Em Tramandaí, no Calçadão Beira-Mar, o Carnaval foi agitado para cerca de mil pessoas pelo DJ Carioca e pela Banda Fama Show. “Não tem marchinha, mas está legal mesmo assim”, disse a moradora local Sandra Cecatto, ao lado do marido Roberto. Ela levou dois amigos de Porto Alegre que nunca haviam estado no carnaval da cidade. “Já pulamos no sábado, então hoje não vamos nos demorar muito”, afirmou.

Rodrigo Antunes estava com a esposa Paula. Os dois comentaram que estas festas na rua acabaram superando os antigos bailes de salão. “Nem sei se ainda fazem este tipo de baile”, questionou o morador de Canoas. “E até o tipo de música mudou. Antes eram cabeleira do Zezé, e outras coisas. Agora está tocando pagode e axé, mas mesmo assim é divertido”, constatou. Vestido de pirata, o porto-alegrense Cláudio Fagundes foi para o carnaval acompanhar a esposa e outros parentes. “A gente passa o tempo trabalhando, então esta festa dá uma aliviada. É bom sair da rotina”, disse.

Em Capão da Canoa, era um outro tipo de carnaval. O que rolava no palco em frente ao Calçadão era música eletrônica – a festa estava mais para uma rave do que propriamente carnaval. A música bate-estaca e o funk dominavam o ambiente, que teve um público de quase três mil pessoas, muitas pouco fantasiadas. “Não se faz mais carnaval como antigamente. Cadê as marchinhas, o pessoal fantasiado?”, perguntou Sandro Boeira.

Ao seu redor as pessoas dançavam, não se importando com o ritmo musical. “É divertido, moderno. São os novos tempos”, afirmou Eládio Trindade. Um dos poucos fantasiados era Roberto Gomes dos Santos, que compareceu vestido de mulher. “Importa é a diversão. Acho engraçado”, disparou, dançando ao ritmo de um funk.

O soldado Sérgio Padilha, do Pelotão de Terra de Areia, e reforçando o efetivo em Capão da Canoa, notou que “está tudo transcorrendo tranquilamente”. “Tem muitas famílias, crianças. Os dois dias de carnaval foram calmos. Muito se deve a proibição de consumir bebida alcoólica na beira da praia”, finalizou.