capa

Pesquisa aponta que deixar de comer carne poderia salvar milhões de vidas

Estudo foi apresentado no Fórum Econômico Mundial

Por
Correio do Povo

Redução no consumo de carne também contribuiria para a redução da emissão de gás carbônico, garante pesquisa

publicidade

O Fórum Econômico Mundial, também conhecido como Fórum de Davos, divulgou recentemente que deixar de comer carne poderia salvar milhões de vidas e reduzir significativamente as emissões de dióxido de carbono. Um estudo realizado para o Fórum pela Oxford Martin School, um departamento da célebre universidade britânica, demonstrou que 2,4% das mortes provocadas por alimentação no mundo poderiam ser evitadas caso houvesse uma redução no consumo de carne, sobretudo de origem bovina.

Nos países ricos, nos quais o consumo é mais elevado, o percentual de vidas que se salvaria seria de 5%, destacou o Fórum Econômico Mundial - que reúne anualmente, em janeiro, as elites econômicas e políticas mundiais na luxuosa estação de esqui de Davos, no leste da Suíça. Segundo o estudo, a demanda por carne continuará aumentando durante as próximas décadas, já que a população mundial pode chegar a 10 bilhões de pessoas antes de 2050. “Se tornará impossível satisfazer esta demanda”, alerta o diretor executivo Fórum, Dominic Waughray, em um comunicado.

O estudo alerta ainda para o impacto do consumo de carne no meio ambiente. Apenas a produção de carne bovina representou, em 2010, 25% das emissões de CO2 relacionadas com a alimentação.

E não é só o Fórum Econômico Mundial que faz esse alerta. A FAO (Food and Agriculture Organization), agência da ONU para o combate à fome e erradicação da pobreza, projeta aumento de 76% no consumo global de carne até 2050. Segundo o órgão, mais carne será consumida do que em qualquer período da nossa história e iremos pagar o preço ambiental e humano disso – a menos que façamos uma mudança agora.

“Precisamos ser realistas. Cortar carne inteiramente da dieta não é uma opção para muitas pessoas”, disse James Lomax, oficial de sistemas sustentáveis de alimentação e do programa de gestão de agricultura da ONU Ambiente. “A carne bovina é fonte realmente importante de vitaminas e proteínas – e fonte de renda – para os mais pobres do mundo. Pequenas operações de produção orgânica possuem impacto ambiental muito diferente em comparação a produção industrial de gado.” “Mas no centro da questão ambiental está a maneira com a qual a carne é produzida e, crucialmente, consumida. Reduzir intensivamente o consumo de carne de criação de gado é bom para as pessoas e para o planeta.”