Câncer de próstata, conscientização é o melhor remédio
capa

Câncer de próstata, conscientização é o melhor remédio

Com o diagnóstico precoce, a percentagem de cura da doença é entre 85% e 90%. Diferente do quadro avançado, em que o tratamento será paliativo e não curativo

Por
Correio do Povo

publicidade

Um caso de câncer de próstata a cada sete minutos. Uma morte a cada 40 minutos. Esses são alguns dos números da doença no país, com a estimativa de 68 mil casos novos para esse ano. São mortes e complicações do câncer de próstata que poderiam ser evitadas apenas com a conscientização sobre a necessidade do diagnóstico precoce através do exame preventivo.

Com diagnóstico precoce, a percentagem de cura é entre 85% e 90%. Diferente da doença avançada, em que o tratamento será paliativo e não curativo. “Quando os sintomas aparecem o tumor já não está mais na próstata e avançou para a bexiga, uretra, vasos linfáticos ou ossos”, explica o médico urologista Leonardo Infantini Dini. Por isso a importância da averiguação para barrar a evolução da doença que pode ter consequências graves.

Assim, é possível evitar todo o sofrimento que vem com o agravamento do câncer de próstata em uma consulta médica apenas. “A avaliação é feita através de duas ferramentas importantes: as taxas de PSA, substância produzida pela próstata, e o toque retal, que permite identificar nódulo, caroço, mesmo com PSA normal em mais de 20% dos casos”, ressalta o especialista. Outra novidade na investigação do câncer de próstata é o uso da ressonância magnética para complementar o diagnóstico. “As tecnologias têm melhorado em muito os resultados e diminuído a agressividade, evitando a biópsia”, informa.

Na consulta preventiva, pode ser identificado o tumor prematuramente, pois é uma doença silenciosa, que geralmente não apresenta sintomas no início. Quando já está em estado avançado, o homem tem sintomas relacionados à urina, como sangue, retenção urinária e dor. Esses sinais, esse mal estar urinário, porém, se assemelham aos apresentados na hiperplasia benigna da próstata, o aumento da próstata. “O crescimento da próstata é natural. Todos os homens vão ter a partir dos 35 anos. Mas junto a isso, com o aumento da idade, pode vir o câncer de próstata também”, indica o doutor Dini.

Na mesma faixa etária do câncer de próstata, outros problemas de saúde se tornam frequentes, como os distúrbios sexuais. “A disfunção erétil aumenta com a idade, chegando a atingir 70% dos homens aos 70 anos de idade. As questões cardiovasculares são concomitantes à disfunção sexual, e podem ser o primeiro sinal para o risco de um infarto do miocárdio, um acidente vascular cerebral (AVC)”, adverte o médico. A dor, perda da função renal e prostatite são outras consequências do câncer de próstata, além da impotência, incontinência e retenção urinária.

O tratamento da doença pode ser de forma conservadora, no método curativo, dependendo da idade do paciente e comorbidades, quadros clínicos que afetam o organismo ao mesmo tempo, como hipertensão ou cardiopatias. O paciente poderá passar por cirurgia convencional ou robótica ou radioterapia. Em casos mais avançados, haverá a cirurgia, radioterapia e bloqueio hormonal. Ainda são previstas medicações periódicas, quimioterapia e imunoterapia.

Há dois grupos de risco para o câncer de próstata que devem ser observados. Um são os indivíduos da raça negra e, o outro, os homens com histórico de câncer de próstata ou de mama na família. No caso dos homens negros, a explicação é que, geneticamente, a doença tende a ser mais precoce e agressiva entre eles. Esses grupos de risco devem fazer o preventivo a partir dos 45 anos. Para os homens que não se enquadram nestes fatores, a orientação é que busquem um médico a partir dos 50 anos.

Para o doutor Dini, o Novembro Azul é uma campanha de conscientização das pessoas sobre o câncer de próstata, mas também é um grande oportunidade de contato com o paciente para ele ampliar os cuidados com a saúde. “É a chance de vencer esse preconceito e avançar nas outras questões da saúde do homem.”

“Nessa visita ao médico, o paciente pode obter informações para um planejamento familiar. Saber que pode passar por uma vasectomia, tratar uma disfunção erétil ou ejaculação precoce. Ou acompanhar problemas diretamente relacionados à idade, como os cardiovasculares. Cuidar do coração, verificar como estão os triglicerídeos, assim como outros diagnósticos”, cita o urologista. “Hoje a longevidade da população aumenta constantemente e isso dá mais oportunidades para o combate às doenças, e mais ainda ao câncer de próstata, pois tem relação com a idade. Assim, não é somente viver mais tempo. O ideal é viver com qualidade de vida”, comenta o especialista. “Conscientização, deixar o medo de lado, mudar essa cultura de não ir ao médico, tudo isso é determinante para evitar o câncer e viver mais e melhor.”

ENVOLVIMENTO SOCIAL

Dentro da tradição da Rede de cuidar da saúde da população gaúcha e catarinense, a Agafarma também está engajada no Novembro Azul. Conforme o diretor-presidente da Agafarma, Wilson Galli, a conscientização é determinante para a prevenção da doença. Por isso, o envolvimento da rede em ações preventivas. “Fazemos isso todos os anos. Realizamos campanhas internas, junto aos colaboradores, através de distribuição de materiais informativos. Não é apenas com o câncer de próstata. Foi assim também com o câncer de mama”, expressa Galli.

“Desenvolvemos as campanhas para chamar atenção de toda a sociedade”, ressalta. Para Galli, a aproximação dos proprietários das farmácias inseridas em determinadas comunidades é fundamental. “Somos uma rede associativista, pioneira nesse quesito no Estado. Então o dono do estabelecimento e a sua família estão envolvidos diretamente no negócio, o que auxilia no envolvimento e cuidado com o morador daquela região”, cita. Conhecer a localidade, as características e o carinho pelas pessoas é marca registrada da Agafarma, segundo Galli.

“Atendemos com respeito, com dedicação e atenção ao cliente. O empresário está ao lado, acolhendo e orientando. Além disso, farmacêuticos especializados estão preparados para atender a população”, acrescenta. Ele evidencia os Espaços Clínicos, estruturados para dar ainda mais atenção ao paciente. Neles são feitas verificações de pressão arterial, aplicações de injeções e vacinas, avaliação de receituário e orientação.

Presente em 230 municípios, com mais de 480 unidades no RS, a Rede prioriza atendimento com qualidade. Segundo o diretor-secretário e diretor de Marketing da Agafarma, Jerry Luis Bonatto, em março deste ano foi feito o reposicionamento da marca. “O que a gente sabe fazer é justamente cuidar das pessoas. Por isso que nos engajamos nessas iniciativas e outras em que há esse envolvimento social. Estamos próximos à comunidade, acolhendo e cuidando dela.” Durante todo o mês de novembro há distribuição de material informativo nas unidades.