Técnicas auxiliam no tratamento da calvície
capa

Técnicas auxiliam no tratamento da calvície

Problema atinge aproximadamente 50% dos homens e, mesmo não oferecendo riscos à saúde, muitas vezes afeta a autoestima

Por
Correio do Povo

De acordo com pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), 42 milhões de brasileiros apresentam algum nível de calvície e a proporção é maior entre os homens devido a testosterona

publicidade

Os avanços na área estética estão levando os homens a aderirem cada vez mais às soluções que contribuem para uma maior qualidade de vida. Entre as diversas possibilidades, estão os cuidados com os cabelos ou até mesmo a recuperação deles. Nesse sentido, há no mercado duas técnicas que estão fazendo a cabeça do público masculino: a micropigmentação capilar e o implante. Aproximadamente 50% dos homens e 40% das mulheres acima dos 50 anos têm alopecia androgenética também conhecida como calvície. De acordo com pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira do Cabelo (SBC), 42 milhões de brasileiros apresentam algum nível de calvície e a proporção é maior entre os homens devido a testosterona, hormônio masculino que, quando convertido em um derivado chamado DHT (di-hidrotestosterona), age no bulbo capilar promovendo o afinamento dos fios. Mais fracos, eles vão desaparecendo. Entre as mulheres, apenas 5% apresentam esse quadro e isso se deve ao fato de produzirem testosterona em quantidade menor. Apesar de não causar riscos à saúde, a calvície afeta a autoestima tanto de homens quanto de mulheres. 

O tratamento com medicamentos age com foco na diminuição da queda de cabelo e no estímulo ao seu crescimento, devendo ser aplicado sobre a área calva. Entretanto, ao parar de tomar o medicamento, o processo de queda continua. Já a técnica da micropigmentação, desenvolvida na Espanha e que se difundiu no mundo, é um procedimento semelhante a uma tatuagem, não atinge a derme. A especialista em micropigmentação Renata Swierginski, da Scienza Centro Integrado de Estética e Saúde, destaca que não é definitivo e tem duração de aproximadamente cinco anos. Ela lembra que em relação à tatuagem há uma vantagem: “vai desbotar na tonalidade do cabelo”. Renata salienta que é usado um pigmento próprio e abrange duas técnicas: “Cabeça raspada, tipo lutador de jiu-jitsu”. São simulados fólicos de crescimento ou preenchimento de fundo, quando a pessoa quer usar os fios mais compridos. Em geral, observa a especialista, cada sessão leva em torno de três horas e são necessárias três sessões, mas para cada uma é preciso um intervalo de 30 dias. “Nesse período, ocorre a regeneração celular. É importante observar como a agulha atuou naquele organismo, porque cada pessoa tem uma pigmentação própria e a ideia é que fique mais natural possível”, destaca. Entre as curiosidades do seu trabalho, Renata, que também é advogada, mas encontrou grande realização nessa atividade, está a felicidade que o resultado proporciona nos clientes. “Eu fiquei impactata com o resultado na autoestima das pessoas. Eu não tinha noção disso”, conta. “O ser humano tem múltiplos talentos. Eu descobri mais uma paixão e amei esse trabalho”, revela. 

Outra técnica que também têm feito a cabeça masculina é semelhante ao implante capilar. Recentemente, o jornalista João Pedro Villela, natural de Uruguaiana, fez um procedimento na Turquia. Depois de pesquisar muito sobre o assunto, ele encontrou uma clínica que tinha um preço compatível e trazia um resultado de acordo com o que ele estava buscando. “Eu fiquei muito feliz com o resultado. Fiz há pouco tempo o procedimento e ainda conheci um país incrível”, revela. “Antes de viajar, eu pesquisei bastante e descobri que lá tem o melhor preço/qualidade. O que me chamou atenção é que mais de 75% do público deles são brasileiros e a maioria gaúchos. Eu comecei a perder cabelo aos 18 anos e hoje estou com 26 anos. Gostei muito da técnica”, conta. 

João Pedro foi submetido à técnica FUE (Extração Folicular Unitária), na Now Hair Time, que surgiu em Istambul, na Turquia, inicialmente atendendo pacientes turcos, mas que expandiu seus negócios para a região europeia e em seguida às Américas, com foco maior no Brasil. Aproximadamente 85% dos pacientes atendidos são do sexo masculino, em sua maioria entre 25 a 55 anos de idade. 

Conforme Melik Yagmur, CEO da empresa, o transplante capilar ocorre em três dias. No primeiro dia é realizada a cirurgia; no segundo, a retirada de curativos; e, no terceiro, a primeira lavagem. É preciso ficar dois dias de repouso total. Por não ser uma cirurgia invasiva, a pessoa pode retornar às atividades normalmente. Mas, no caso dos esportes, deverá ficar um mês sem praticá-los. Na terceira semana, os fios dos folículos implantados caem e voltam a nascer progressivamente. Pelo sexto mês, já se vê boa evolução e com um ano surge o resultado final.