Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 01/03/2014
  • 08:30
  • Atualização: 08:45

Bambas da Orgia encerra primeira noite de desfiles no Porto Seco

Escola busca o bicampeonato do do Carnaval de Porto Alegre

  • Comentários
  • Correio do Povo

A atual campeã do Carnaval de Porto Alegre, a Bambas da Orgia encerrou a primeira noite de desfiles do Complexo Cultural do Porto Seco, já no início da manhã deste sábado. Cantando "Moacyr Scliar, o menino do Bom Fim", a escola apresentou a vida e os contos do imortal gaúcho, como forma de reconhecer e valorizar o trabalho do médico e escritor que morreu aos 73 anos, em 2011.

As arquibancadas permaneceram lotadas até o final do desfile, e o presidente da escola, Cleomar Rosa, destacou o desejo e a confiança no bicampeonato.  A águia, símbolo da escola de samba mais antiga da Capital, entrou na avenida a frente de 1,7 mil integrantes, cinco carros alegóricos e 20 alas. 

Restinga


Antes, o Estado Maior da Restinga entrou no sambódromo pouco antes das 4h com o enredo “És fascinação! Elis Regina, rainha nos palcos, seu cantar é pura emoção". A homenagem à cantora gaúcha foi desenvolvida pela Comissão de Carnaval da “Tinga” que relembrou as canções mais famosas da artista.

Com a participação da rainha do carnaval, Brennda Martins Protásio, a "Tinga" entrou na avenida com 2 mil integrantes, quatro carros (És fascinação, Elis no Rio de Janeiro, Elis entre amigos e Elis a grande voz do Brasil), um tripé (Do rádio ao palco) e um total de 18 alas. A escola concluiu o desfile um pouco antes das 5h, dentro do tempo previsto.

União da Vila do IAPI

O enredo da União da Vila do IAPI, a quarta escola a desfilar na primeira noite do Grupo Especial, no Complexo Cultural do Porto Seco, homenageou o município de Canela, um dos mais procurados pontos de turismo no Rio Grande do Sul. Para apresentar a "Suíça brasileira", a escola trouxe o clima do Natal para a avenida, já que a data é uma das importantes para a cidade, com papais e mamães noéis caindo no samba. Para mexer ainda mais com os sentidos dos foliões, a escola perfumou a avenida com cheiro de canela, mesmo sabor das balas que os integrantes atiraravam para as arquibancadas.

Com o enredo “Nos Trilhos da História! Canela, a Suíça Brasileira!”, os carnavalescos Sérgio Guerra e Renan Delavega descreveram na avenida as belezas e o charme da cidade serrana que está completando 70 anos. Para contar a história, desde a fundação de Canela e a colonização dos tropeiros, até os dias atuais, os 1,8 mil componentes da escola se apresentaram em 22 alas, cinco carros alegóricos e dois tripés.

União da Vila Isabel

O resgate do que deu errado no carnaval do ano passado foi a proposta da Unidos de Vila Isabel com o desfile que contou “A história das roupas na passarela da alegria!”, enfocando o simbolismo contido nas vestimentas ao longo da história. O tema, de Sérgio Peixoto, desenvolvido pelo carnavalesco Sandro Rauly, mostrou cronologicamente como as roupas impactaram no desenvolvimento da humanidade, desde o tempo em que os seres humanos viviam em cavernas até as roupas futuristas.

O desfile contou com a participação de 1,5 mil componentes, quatro carros alegóricos (O jardim do Éden Visões do Paraíso, Evoluindo como a humanidade, Criações-necessidades - modismos, na passarela da alegria ou no espaço sideral a roupa esta presente com a Vila Isabel), um tripé (O livro sagrado) e 19 alas.

Samba Puro

A Academia de Samba Puro voltou a desfilar no Grupo Especial do Carnaval de Porto Alegre na primeira noite dos desfiles. Segunda a atravessar a pista do Porto Seco, a escola do Morro Maria da Conceição homenageou as mulheres, apresentando em seu desfile Marias de todos os tempos e tipos, como a rainha da França Maria Antonieta, a cantora Maria Bethânia e Maria da Penha, que inspirou a lei de mesmo nome.

Uma das homenageadas no enredo, a ministra Maria do Rosário, da Secretaria de Direitos Humanos, também desfilou pela escola, que levou a inclusão para a avenida. A ala Justiça para Todos foi formada por deficientes visuais e acompanhantes e o quarto e último carro, chamado Bonde das Diversidades, trouxe a comunidade GLBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) com a bandeira do arco-íris.

A rainha Deficiente Visual do Carnaval do ano passado, Josiane França, desfilou na ala, acompanhada da prima Ana Claúdia, e ao lado da filha Gieniffer, 14 anos, que acompanhava a fisioterapeuta Bianka Raubert.

Imperatriz Leopoldinese

O diretor de Harmonia da escola Imperatriz Leopoldense, Mauricio Trindade, acredita na garra da comunidade para superar os problemas ocorridos durante desfile que abriu a primeira noite do Carnaval. A estreante no Grupo Especial teve um tripé e um carro quebrados, que não puderam entrar na avenida, além de duas alas que não desfilaram e uma que entrou no sambódromo com roupas normais, pois as fantasias não ficaram prontas a tempo.

As 15 alas, dois carros e aproximadamente mil pessoas mostraram a tradição e a cultura milenar chinesas. Com o enredo “Milênio de Tradições, História e Cultura – A Imperatriz Celebra a China", a escola do bairro Feitoria, de São Leopoldo, abordou a dinastia chinesa e também relíquias e histórias do que a China levou para o mundo. O tema teve como inspiração o filme “O Último Imperador”.






Bookmark and Share


TAGS » Carnaval, Variedades