Porto Alegre, quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

  • 22/01/2014
  • 16:57
  • Atualização: 17:23

Fifa pede descanso para gramado do estádio Mané Garrincha, no DF

No total, sete partidas da Copa serão disputadas no estádio que custou R$ 1,4 bilhão

No total, sete partidas serão disputadas no estádio que custou R$ 1,4 bilhão | Foto: BETO BARATA / AFP / CP

No total, sete partidas serão disputadas no estádio que custou R$ 1,4 bilhão | Foto: BETO BARATA / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

 A Fifa pediu nesta quarta-feira para que o gramado do estádio Mané Garrincha de Brasília tenha descanso para estar em perfeitas condições na hora de receber partidas da Copa do Mundo em junho.

Chris Unger, Chefe do departamento de operações da Copa do Mundo, mostrou-se preocupado com a perspectiva da realização de partidas válidas pelo campeonato brasiliense, inclusive as finais, previstas para o mês de maio, um mês antes do início do Mundial.

"Isso é uma das nossas preocupações, porque é necessário que o gramado tenha um descanso adequado antes da Copa. É preciso que ele esteja em excelentes condições. As seleções que vão vir para a Copa têm grandes expectativas e não cabem mais desculpas", declarou o dirigente em entrevista coletiva realizada na Capital Federal.

Esta recomendação não vale para o Maracanã, que foi liberado para realizar partidas do Campeonato Carioca e da Taça Libertadores.

Enquanto o secretário-geral da Fifa, Jerôme Valcke, visita as obras de estádios ainda em construção, Unger inspecionou nos últimos dias as seis arenas utilizadas durante a Copa das Confederações, em junho do ano passado.

Estádio mais caro entre os 12 que serão utilizados no Mundial, o Mané Garrincha custou 1,4 bilhão de reais.
Durante a Copa das Confederações, foram registrados alguns problemas no gramado.

• Arena da Baixada corre risco de ficar fora da Copa se obras não avançarem
• Após polêmica, embaixador do Reino Unido visitará Arena da Amazônia
• Koff é pessimista com possibilidade da Arena substituir Baixada na Copa

As autoridades locais, porém, asseguram que o problema será resolvido até o dia 15 de junho, quando o estádio receberá seu primeiro jogo da Copa do Mundo, entre Suíça e Equador.

"Brasília recebe esta visita com muita tranquilidade. Vocês vão encontrar um estádio lindo, preservado, e um gramado extraordinário. Já conversamos sobre as dificuldades apresentadas durante a Copa das Confederações, mas hoje, o espaço está maravilhoso", afirmou Cláudio Monteiro, secretário da Copa do Distrito Federal.

No total, sete partidas serão disputadas em Brasília, quatro da primeira fase, uma de oitavas de final, uma de quartas e a disputa do terceiro lugar.

Também houve preocupações em relação a goteiras no teto do estádio, mas Tiago Paes, gerente de integração operacional do Comitê Organizador Local, fez questão de minimizá-las.

"Não há preocupação nenhuma. A grande vantagem de termos o estádio pronto é poder verificar esse tipo de problema. É natural para um estádio deste tamanho que ajustes aconteçam. Isso está sendo visto e todas as equipes estão atuando para resolver", garantiu.

Entre os estádios ainda em construção, aquele que mais preocupa é o de Curitiba.

Na terça-feira, Valcke alertou que a Arena da Baixada corrida o risco de ficar fora da Copa e deu um ultimato, até o dia 18 de fevereiro, para que o ritmo da obra seja acelerado.


Bookmark and Share