Correio do Povo

Porto Alegre, 28 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
13º 25º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Brasileirão

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

19/02/2014 12:32 - Atualizado em 19/02/2014 12:38

Conselhos da Portuguesa aprovam entrada na Justiça Comum

Clube tenta recuperar seu lugar na Séria A, perdido após decisão do STJD no fim do ano passado

Mais um capítulo do imbróglio envolvendo a Portuguesa, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e a CBF teve inicio nessa terça-feira. Membros do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) da Lusa decidiram que o caminho que o clube irá seguir a partir de agora é entrar na Justiça Comum para recorrer da decisão do STJD, que condenou o time a perder quatro pontos pela escalação irregular do meia Héverton na última rodada do Brasileirão de 2013. O Conselho Deliberativo, por unanimidade, também aprovou a medida.

Com o resultado da Justiça Desportiva, a Lusa foi rebaixada à Série B do Nacional, enquanto o Fluminense acabou sendo beneficiado e permaneceu na elite. Isso aconteceu porque a Lusa perdeu quatro pontos (o que conquistou no empate com o Grêmio, na última rodada, e mais três de punição).

Cerca de 350 conselheiros estiveram presentes no encontro sob a liderança do presidente do grupo, Marco Antonio Teixeira Duarte. A reunião teve também a participação de Flávio Raupp, dirigente do Gama em 1999 e responsável pela manutenção da equipe no Brasileiro de 2000 após imbróglio semelhante, e do torcedor e advogado Daniel Neves, primeiro a entrar na Justiça Comum a favor do clube do Canindé. As reuniões aconteceram na noite dessa terça-feira, em São Paulo.

Recentemente, a CBF firmou acordo com os 20 clubes da Primeira Divisão determinando que quem entrar na Justiça Comum perderá cotas de TV. A Lusa não fez parte do acerto, que envolveu os times que a entidade considerou como participantes da elite este ano após a decisão do STJD.

A decisão do presidente da Portuguesa, Ilidio Lico, de ouvir os conselhos do clube antes de ingressar com a ação foi de cunho político, para evitar ter problemas internos a depender dos desdobramentos do caso e até eventuais danos à Portuguesa pela decisão.

Bookmark and Share

Fonte: Lancepress






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.