Porto Alegre, domingo, 26 de Outubro de 2014

  • 06/03/2014
  • 15:03
  • Atualização: 15:15

Márcio Chagas fará boletim de ocorrência sobre racismo

Dirigente do Esportivo estranhou caso e disse que carro estava bem protegido em Bento Gonçalves

Chagas disse ter encontrado bananas no seu carro após jogo entre Esportivo e Veranópolis | Foto: Mauro Schaefer / CP Memória

Chagas disse ter encontrado bananas no seu carro após jogo entre Esportivo e Veranópolis | Foto: Mauro Schaefer / CP Memória

  • Comentários
  • Correio do Povo e Rádio Guaíba

O árbitro Márcio Chagas da Silva fará um boletim de ocorrência sobre o suposto caso de racismo em Bento Gonçalves, na Serra gaúcha, na tarde desta quinta-feira. O profissional disse que encontrou bananas espalhadas em seu carro após a partida entre Esportivo e Veranópolis, nessa quarta-feira. Além disso, o automóvel estaria com arranhões e na lataria e partes amassadas.

"Vou fazer um boletim de ocorrência nesta tarde. Ontem estava meio abalado e não consegui. E me disseram que poderia fazê-lo em Porto Alegre”, contou em entrevista à Rádio Guaíba. O árbitro fotografou os danos causados e anexou as imagens à súmula do duelo. “Encaminhei na súmula as fotos do meu carro para que eu possa ser ressarcido por esse clube e para futuras punições."

Conforme Chagas da Silva, o automóvel estava em um estacionamento privativo, com acesso apenas ao vestiário da arbitragem. “Estava fechado por um portão e não deveria ter acesso de mais ninguém, a não ser pela arbitragem ou dirigentes do clube”, ressaltou. “Acredito que o ato tenha sido praticado por torcedores do Esportivo. Os do Veranópolis estavam localizados longe do nosso vestiário. Há uma passagem próxima ao nosso vestiário que torcedores do Esportivo podem circular. Só posso imaginar que foi por parte deles, e não de dirigentes.”

Dirigente diz que episódio causou estranheza

O diretor executivo do Esportivo, Bruno Noventa, se solidarizou com o árbitro, mas estranhou o caso. Segundo ele, o veículo estava bem protegido e não havia sinais de arrombamento. “A arbitragem fica fechada por dentro e me causa estranheza tal coisa acontecer. Não vou permitir qualquer tipo de ato no clube, seja racial, religioso. A gente encara isso com grande tristeza, mas vamos ter que averiguar certinho”, afirmou.

“Só a arbitragem tem acesso a esse local e não há nenhum sinal de arrombamento do local. O cadeado do portão é entregue ao delegado do jogo. A princípio, não existem cópias desse cadeado”, alegou. “A gente tem que analisar os fatos da maneira mais consciente. Não foi feito boletim de ocorrência aqui, o que causa estranheza, o estacionamento estava bem fechado e há seguranças espalhados pelo Estácio”, acrescentou.

O dirigente também destacou que a torcida do Esportivo tem “negros e índios”. “Acho estranho também alguém carregar bananas para o estádio. Nossa torcida tem pessoas de várias etnias. Não creio que seja tudo isso. É muito complicada essa situação, pelas circunstâncias. Não tem como arrombar o local e jogar bananas. Fica daí uma palavra contra a outra. Se meu carro está arranhado, vou jogar a culpa em tal clube, não é por aí.”

O estacionamento da arbitragem não possui câmeras de segurança. “Havia seguranças no local, mas ninguém viu nada disso. Se tivessem visto, seriam repreendidos. Já perdemos mando de campo porque alguém jogou pedra no início do campeonato. Temos o maior cuidado para não passar outra vez por isso”, argumentou Noventa.


Bookmark and Share