Porto Alegre, quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

  • 07/03/2014
  • 08:04
  • Atualização: 08:11

Arouca sofre racismo após vitória do Santos no Paulista

Ofensas teriam sido feitas por um torcedor do Mogi Mirim

  • Comentários
  • Lancepress

Depois de o Santos golear o Mogi Mirim por 5 a 2 na noite dessa quinta-feira, o volante Arouca saía para os vestiários do estádio Romildão quando foi alvo de ato de racismo por parte de um torcedor, segundo registros de testemunhas. Minutos depois, em entrevista coletiva, o técnico Oswaldo de Oliveira se calou sobre o tema, em tom de protesto. “A minha resposta para isso é o silêncio. Não farei mais nada”, afirmou o treinador, que foi questionado sobre o ocorrido e permaneceu alguns segundos calado no local antes de dar sua resposta.

• Árbitro Márcio Chagas diz ter sido vítima de racismo em Bento Gonçalves

Na visão do treinador santista, que não comentou a ofensa sofrida nos vestiários, Arouca foi um dos principais responsáveis pela vitória por 5 a 2 no Romildão. “Esse ímpeto do Arouca é louvável, gosto muito. Fiquei muito feliz por ter ele feito mais um gol e espero que continue assim. Ele é importantíssimo. Eu o conheço desde o Fluminense, confesso que tenho muito carinho e sempre procuro inspirá-lo para que ele tenha realmente essa tomada de iniciativa, e que deixe de ser um lampejo”, afirmou o treinador santista, que ainda desabafou sobre o tema na última pergunta da entrevista coletiva.

“Não vou me prender ao problema do Arouca, mas à questão da súmula. Nem tudo que se passa no jogo só pode dar relevância se estiver na súmula. Isso tem que ser coibido, como a violência, brigas e uma série de outras coisas. Tem gente que gosta de aparecer negativamente, acho isso baixo, e isso tem que ser severamente punido, como tantos outros eventos que temos acompanhado recentemente. A euforia da Copa do Mundo tem nos contagiado para o evento, mas deveríamos ser mais severos”, comentou.

Arouca foi sorteado para o exame antidoping logo após a partida, e não permaneceu por muito tempo nos vestiários. Segundo registros de radialistas que estavam no local, havia alguns policiais próximos ao grupo de cerca de dez torcedores, que foi de onde saiu a ofensa, mas nenhuma prisão foi efetuada. O Mogi Mirim pode ser punido caso o árbitro Vinicius Gonçalves Dias relate o ocorrido na súmula.

Bookmark and Share