Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 14/03/2014
  • 15:06
  • Atualização: 15:17

Márcio Chagas se frustra com pena do Esportivo e se diz "violentado"

Árbitro espera que tribunal mude entendimento com o recurso da Procuradoria

Márcio Chagas disse que punição foi branda | Foto: Mauro Schaefer

Márcio Chagas disse que punição foi branda | Foto: Mauro Schaefer

  • Comentários
  • Lancepress

A noite de quinta-feira marcou o julgamento do Esportivo pelo caso das ofensas racistas contra o árbitro Márcio Chagas. A pena do Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) foi de cinco mandos de campo e multa de R$ 30 mil. A punição foi lamentada pelo juiz, alvo dos insultos dos torcedores e da violência contra o seu carro. O profissional se disse "violentado" pela decisão dos auditores do tribunal.

Márcio Chagas espera que a repercussão negativa da pena conte quando o recurso da Procuradoria seja julgado. "Senti a mesma coisa da semana passada. Violentado e decepcionado. Arrasado. Só eu sei o que eu passei", avaliou Chagas.

"Tenho o mesmo sentimento que todo mundo, que foi uma punição muito branda por todo o ocorrido. Tínhamos oportunidade de fazer história e dar uma satisfação para a sociedade por um ato extremamente violento, e não foi esse o entendimento do tribunal. Me preocupa bastante o fato de uma gravidade como o que aconteceu voltar acontecer", comentou o árbitro gaúcho.

Chagas também afirmou que vai entrar com processo na Justiça Comum contra o Esportivo por danos morais e para recuperar o dinheiro que precisará investir no carro depredado. Seu veículo estava amassado por pontapés ao final da partida entre Esportivo e Veranópolis. Com duas bananas no escapamento e no teto do veículo.

Além disso, irá depor em Bento Gonçalves para o inquérito policial que irá investigar e tentar descobrir quem cometeu os atos no carro do árbitro, no estacionamento do estádio. O Esportivo, na última semana, afirmou que entregou o nome de dois suspeitos para a polícia da cidade.

Bookmark and Share


TAGS » Futebol, Esporte, Racismo