Correio do Povo

Porto Alegre, 22 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
20ºC
Amanhã
20º 32º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Gre-Nal

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

30/03/2014 20:05 - Atualizado em 30/03/2014 20:08

Paulão reafirma ofensa racista, mas não irá levar o assunto adiante

Zagueiro do Inter diz que reconheceria agressor

Paulão disputa o lance com Riveros<br /><b>Crédito: </b> Mauro Schaefer
Paulão disputa o lance com Riveros
Crédito: Mauro Schaefer
Paulão disputa o lance com Riveros
Crédito: Mauro Schaefer

Depois do término da partida e passar por exame antidoping na Arena, o zagueiro Paulão reafirmou as acusações de ter sido alvo de ofensas racistas por parte de um torcedor do Grêmio ao final do Gre-Nal. Ao deixar o campo após a vitória por 2 a 1 sobre o Grêmio, por onde já jogou, o defensor ouviu um torcedor imitando barulhos de macaco e foi encará-lo. Willians também fez o mesmo. Em sua entrevista, afirmou que não irá tomar nenhuma medida legal e apenas lamentou a situação. O árbitro Leandro Vuaden afirmou que não viu o caso e não irá relatar em súmula.

Paulão viu quem fez a ofensa. Aplaudiu-o ironicamente na beira do gramado, próximo ao túnel que leva para a zona mista. Afirmou que o reconheceria e que se o encontrar na rua, irá chamá-lo para "bater um papo". O camisa 25 lembrou o caso dde racismo que Márcio Chagas vivenciou, a campanha que foi feita e o resultado inexistente.

"Já aconteceu no Gauchão. Entramos com faixas, máscaras e aconteceu novamente. São coisas pequenas, que não me diminuem em nada. Uma infelicidade no momento errado, mas está tranquilo. Não vou entrar na briga, na causa. Seria mais um negro brigando por uma causa que infelizmente não estamos tendo resultado", comentou o jogador, na zona mista da Arena.

O zagueiro teve passagem de seis meses no Grêmio, em 2010. O assunto também foi pauta neste clássico por conta de alguns cânticos da Geral que contém a palavra macaco. Um deles foi cantado antes do jogo. Paulão não procurou a polícia e nem fez boletim de ocorrência.

"Reconheceria, mas se eu encontrar ele na rua, a gente bate um papo. Se ele não tem um negro na família, ele reconheceria se tivesse. Para mim está tranquilo, tenho felicidade em ser negro", finalizou. 

Bookmark and Share


Fonte: Lancepress






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.