Correio do Povo

Porto Alegre, 28 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
11ºC
Amanhã
12º 25º


Faça sua Busca


Esportes > Futebol > Grêmio

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

02/05/2014 13:17 - Atualizado em 02/05/2014 13:28

Barcos revela pressão, mas diz que fica no Grêmio

Com a filha no colo, atacante foi cercado por torcedores após queda para o San Lorenzo

Barcos foi ameaçado por gremistas após queda na Libertadores<br /><b>Crédito: </b> Vinicius Costa / AFP / CP
Barcos foi ameaçado por gremistas após queda na Libertadores
Crédito: Vinicius Costa / AFP / CP
Barcos foi ameaçado por gremistas após queda na Libertadores
Crédito: Vinicius Costa / AFP / CP

O clima ficou quente após a eliminação do Grêmio na Copa Libertadores da América. Ainda na Arena, torcedores do Grêmio agrediram verbalmente o centroavante Barcos e cercaram seu carro no estacionamento do estádio gremista, com batidas no veículo. A revelação foi feita pelo camisa 9, que admitiu que em certo momento rebateu as críticas e pediu respeito aos gremistas no momento difícil. O argentino afirmou que entende as cobranças, mas que não irá deixar o clube por conta de pressão da torcida.

“Seria o ideal (apoio sempre), ou pelo menos que analise tudo antes de criticar e falar um coisa ou outra. É passional e é entendível. Vai xingar quando perder e aplaudir quando ganhar. Eles falam hoje que tem que embora, que o Barcos tem que ir embora. Mas o torcedor não manda no clube. Se torcedor me mandar embora de um clube, eu largo o futebol. Se o presidente pedir, eu vou embora. Dou o melhor e vou embora. Mas não a torcida”, relatou.

O enfrentamento entre a torcida e o capitão da equipe aconteceu no estacionamento da Arena. Segundo Barcos, ele estava com a filha no colo e se dirigia ao seu carro quando foi xingado e cobrado pelos torcedores. Sem rebater, entrou em seu veículo. Só que o grupo de cerca de cinco gremistas cercou e passou a bater no carro do Pirata. Foi quando o argentino contestou a atitude dos tricolores.

Após o jogo, com os seus familiares, em casa, Barcos repassou cada lance do jogo. Debatia com o irmão Gustavo Barcos o que poderia ter feito diferente no jogo e no momento da cobrança. Foi dormir só no final da madrugada, por volta das cinco da manhã, relatou.

“Em primeiro momento saí do jogo e a crítica eu aceito. Sempre aceitei, nunca falei nada para ninguém. Mas estava com minha filha no colo e quatro ou cinco falando. Fiquei quieto e peguei o carro, saí. Continuava, mais agressivo, cada vez mais. Aí contestei e aí ficou. Bateram no carro e fui para casa. Tem que aprender a respeitar. Foi muito difícil dormir, fui pelas cinco horas da manhã. Fiquei com minha família, meu irmão estava aí, falamos do jogo e do que aconteceu. Começa a voltar tudo e o que poderia ter feito”, lembrou Barcos.

O Tricolor viaja para São Paulo na tarde desta sexta-feira, onde enfrentará o Santos neste sábado, às 18h30min, no Pacaembu. O clube gaúcho tenta superar as dificuldades e vencer no Brasileirão após o fim do sonho de conquistar o tri da América.

Bookmark and Share

Fonte: Lancepress






O que você deseja fazer?


Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.