Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

  • 30/06/2014
  • 08:32
  • Atualização: 08:50

Pistorius não sofria transtorno mental em assassinato da namorada, diz promotor

Julgamento do atleta reiniciou nesta segunda-feira

Pistorius não sofria nenhum transtorno mental durante o assassinato da namorada | Foto: Ihsaan Haffejee / AFP / CP

Pistorius não sofria nenhum transtorno mental durante o assassinato da namorada | Foto: Ihsaan Haffejee / AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O campeão paralímpico sul-africano Oscar Pistorius não sofria nenhum transtorno mental durante o assassinato da namorada Reeva Steenkamp, afirmou o promotor no reinício do julgamento do atleta nesta segunda-feira. "O senhor Pistorius não sofria nenhum transtorno mental ou incapacidade que o tornasse penalmente não responsável pelo ato do qual é acusado", concluíram os quatro especialistas solicitados pela corte para examinar o atleta, segundo o relatório lido pelo promotor Gerrie Nel. "Pistorius estava em condições de avaliar que o que estava fazendo era errado", completou.

Nel destacou que os três psiquiatras e o quarto clínico solicitado, um psicólogo, chegaram às mesmas conclusões em dois relatórios separados.

Com o objetivo de garantir um julgamento equitativo, o tribunal suspendeu a audiência de 20 de maio para permitir que o atleta fosse examinado em um hospital psiquiátrico em Pretória e obter um diagnóstico independente.

A defesa havia sugerido que Pistorius sofria de um transtorno de ansiedade generalizada, provocado por sua infância e que poderia ter contribuído para a ação fatídica.

Barry Roux, advogado de Pistorius, não se pronunciou imediatamente sobre as conclusões dos especialistas, assim como a juíza Thokozile Masipa, que ordenou o prosseguimento da audiência com as testemunhas convocadas pela defesa.

Bookmark and Share