Porto Alegre, quarta-feira, 24 de Dezembro de 2014

  • 12/11/2011
  • 13:07
  • Atualização: 13:24

Movimento “Ocupa POA” continua no largo Glênio Peres

Objetivo é combater o capitalismo e promover o debate sobre a democracia

  • Comentários
  • Mauren Xavier / Correio do Povo

Integrantes do movimento “Ocupa POA” mantiveram na manhã de sábado a ocupação do Largo Glênio Peres, ao lado do Mercado Público, no Centro de Porto Alegre. Distribuídos por mais de 20 barracas, eles chegaram ao local por volta das 23h de sexta-feira com o objetivo de combater o capitalismo e promover o debate sobre a democracia. A intenção dos integrantes do grupo é ficar no local por tempo indeterminado.

A manifestação segue atos que ocorrem em outras cidades do país, como em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde os manifestantes estão há mais de 20 dias, e do mundo, como Chile, Colômbia, México, Espanha e os Estados Unidos, onde o movimento começou.

Segundo o Matheus Guedes, um dos integrantes do movimento, a ideia é promover atividades de debates político e cultural. Para isso, diversas pessoas que integram o movimento vieram de outras cidades, em especial da Região Metropolitana. Uma das atividades que estão sendo organizadas é a colocação de uma cozinha coletiva. Ele explicou que a ocupação de locais públicos de lazer, como o Largo Glênio Peres, é uma maneira de chamar a atenção para o assunto. Para isso, foram colocadas diversas faixas com frases de pensadores políticos.

O movimento Ocupa POA não tem vinculação partidária e hierarquia. A ideia é ampliar o debate político e sobre o combate às desigualdades sociais. Segundo o Ocupa POA, 1% da população concentra a maioria das riquezas do mundo. Por outro lado, os outros 99% não têm acesso aos recursos e são pobres e miseráveis. Com a ocupação, o estacionamento no Largo Glênio Peres ficou comprometido, gerando reclamações de motoristas.


TAGS » Geral