Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
12º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

06/12/2013 22:18 - Atualizado em 06/12/2013 22:43

Comandante militar irrita Rosário ao negar erro histórico

“A história não comete erros”, frisou general durante cerimônia fúnebre de Jango

Comandante militar irrita Rosário ao negar erro histórico<br /><b>Crédito: </b> Tarsila Pereira
Comandante militar irrita Rosário ao negar erro histórico
Crédito: Tarsila Pereira
Comandante militar irrita Rosário ao negar erro histórico
Crédito: Tarsila Pereira

Uma declaração do comandante militar do Sul, General Carlos Bolivar Goellner, irritou a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário nesta sexta-feira, em São Borja. O militar afirmou à imprensa que não houve erro histórico e que as homenagens militares não representavam um pedido de desculpas à família de Jango. “As honras fúnebres são um preceito regulamentar e estão no regimento das Forças Armadas e que o Comando do Exército determina. Nada mais do que isso. Não há nenhum erro histórico. A história não comete erros. Não se deve fazer nenhuma ilação sobre isso”, declarou.

O general também disse que o evento em si, em nada altera o Exército do país. “Não há nenhuma modificação para a instituição do Exército brasileiro. As instituições não mudam com a história, podem mudar as pessoas, mas não houve qualquer modificação, nenhuma”, defendeu. O militar ainda preferiu ser sucinto quando perguntado da decisão de exumação do corpo de Jango para apurar as causas de sua morte. “Isso não tem nada a ver conosco, não há nenhuma interferência ou posicionamento nosso. Cabe à família e às pessoas competentes determinarem esse ato.”

Ao saber das manifestações do general, a ministra de Direitos Humanos do governo Dilma Rousseff sugeriu que o Comando do Exército deveria analisar o que disse o general. “Os militares respondem, pela hierarquia, a seus superiores. No meu caso, trabalho com a área de Direitos Humanos. Mas certamente as declarações dessa pessoa, pelas funções importantes que exerce, deverão ser analisadas pelos seus superiores”, disse.

Bookmark and Share

Fonte: Iuri Ramos / Correio do Povo







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.