Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
21ºC
Amanhã
13º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

18/12/2013 10:52 - Atualizado em 18/12/2013 11:10

Parlamento russo aprova anistia a ativistas do Greenpeace

Entre os beneficiados está a bióloga gaúcha Ana Paula Maciel

Parlamento russo aprova anistia a ativistas do Greenpeace<br /><b>Crédito: </b> Dmitri Sharomov / Greenpeace / AFP / CP
Parlamento russo aprova anistia a ativistas do Greenpeace
Crédito: Dmitri Sharomov / Greenpeace / AFP / CP
Parlamento russo aprova anistia a ativistas do Greenpeace
Crédito: Dmitri Sharomov / Greenpeace / AFP / CP

O parlamento russo concedeu nesta quarta-feira anisita aos ativistas do Greenpeace que passaram cerca de dois meses detidos na Rússia após protesto. Entre os anistiados está a gaúcha Ana Paula Maciel, 31 anos, que foi libertada em novembro, poucos dias antes de expirar o prazo de prisão preventiva decretada pela Justiça russa, válida até 23 de novembro.

A anistia beneficia tanto a brasileira quanto os outros 30 ativistas envolvidos no protesto no Ártico, em setembro. Com essa medida, a investigação dos envolvidos no caso deverá ser encerrada. O grupo, no entanto, não poderá deixar o país até que o governo russo conceda visto de saída.

“Estou aliviada, mas não celebrando. Fui acusada e permaneci dois meses presa por um crime que não cometi, o que é um absurdo. Mas, finalmente, parece que essa saga está chegando ao fim e em breve estaremos com nossas famílias", disse Ana Paula Maciel.

O Artic Sunrise, navio do Greenpeace, foi retido no dia 19 de setembro por comandos da guarda costeira russa, depois de os ativistas da organização terem tentado escalar uma plataforma da empresa de gás Gazprom, no Mar de Barents (Ártico Russo). Os ativistas protestavam contra a exploração petrolífera na região.

No início de outubro, os 30 membros da tripulação, de 28 nacionalidades, foram acusados formalmente de “pirataria em grupo organizado” e tiveram prisão preventiva decretada. No dia 30 de outubro, a Justiça russa decidiu reduzir a acusação contra a tripulação, passando de “pirataria” para “vandalismo”. No fim de novembro, com o fim do prazo da prisão preventiva, os ativistas foram libertados pela Justiça sob pagamento de fiança.

Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.