Correio do Povo

Porto Alegre, 24 de Abril de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
12º 22º


Faça sua Busca


Notícias > Polícia

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

23/01/2014 18:09 - Atualizado em 23/01/2014 18:29

Tornozeleiras para agressores de mulheres devem ser instaladas no fim de fevereiro

Susepe explica que mesmo com a lei sancionada será necessário ajustar aplicação com judiciário

As primeiras tornozeleiras eletrônicas para monitorar agressores e evitar a violência contra a mulher só devem começar a ser instaladas no fim de fevereiro ou início de março. A informação é da Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) do Rio Grande do Sul. A lei autorizando o uso do equipamento foi sancionada na tarde desta quinta-feira. Inicialmente, 50 homens serão vigiados de forma permanente.

Conforme a Susepe, detalhes da aplicação da medida – questões envolvendo a legislação - ainda terão de ser ajustados com o judiciário, o que impede o início imediado da colocação dos equipamentos. O projeto gaúcho é piloto no Brasil porque concede à mulher a possibilidade de acionar a polícia por meio de uma espécie de botão de alerta, caso ela perceba a aproximação do agressor em qualquer ponto fora de casa. O monitoramento vai possibilitar que os órgãos de segurança fiscalizem em tempo real se a medida protetiva – geralmente para que não haja aproximação da residência da vítima - é respeitada.

Há sete meses o Rio Grande do Sul passou a adotar o monitoramento eletrônico. Até hoje, porém, o sistema de vigilância por meio de tornozeleiras só é usado em apenados do regime aberto. Ao todo, são 780 monitorados, que podem escolher entre ficar detidos ou ganhar a liberdade com tornozeleira eletrônica.

A meta do projeto piloto é qualificar as Patrulhas Maria da Penha, criadas para conter os índices de violência doméstica. Cada vez que o homem se aproximar da residência da mulher os técnicos vão perceber a presença e alertar os policiais. Em 2013, de acordo com a delegacia da Mulher, houve 92 casos de companheiras mortas pelo homem com quem mantém ou manteve relação. No ano anterior, foram 102.

Bookmark and Share

Fonte: Samuel Vettori/Rádio Guaíba







O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.