Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
14º 21º


Faça sua Busca


Notícias > Internacional

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

27/01/2014 23:13 - Atualizado em 27/01/2014 23:47

Presidente da Ucrânia suspende leis repressivas contra manifestantes

Viktor Yanukovich afirmou que opositores só serão libertados após fim das barricadas no país

Viktor Yanukovich em reunião com os líderes da oposição<br /><b>Crédito: </b> Andrei Mosieko / AFP / CP
Viktor Yanukovich em reunião com os líderes da oposição
Crédito: Andrei Mosieko / AFP / CP
Viktor Yanukovich em reunião com os líderes da oposição
Crédito: Andrei Mosieko / AFP / CP

O presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, aceitou nesta segunda-feira abolir as leis repressivas contra as manifestações no país. Ele afirmou, contudo, que os opositores presos só serão libertados se as barricadas forem levantadas em Kiev. Após uma nova reunião com os líderes da oposição, o ex-boxeador Vitali Klitschko, além de Arseni Yaltsenyuk, líder do partido da opositora presa Yulia Timoshenko, e do nacionalista Oleg Tiagnybok, o presidente fez outra concessão para tentar por fim à crise que paralisa o país há dois meses.

Segundo um comunicado da Presidência, Yatsenyuk recusou formalmente a oferta de Yanokovich para se tornar primeiro-ministro. Na terça-feira, o Parlamento se reunirá em sessão extraordinária que poderá abrir o caminho para uma solução do conflito. A crise ucraniana, que preocupa cada vez mais as capitais ocidentais, será ainda tema principal da cúpula entre União Europeia e Rússia, também nesta terça.

Os protestos em Kiev, que começaram em novembro devido à negativa do presidente a assinar um acordo de cooperação com a UE e por sua aproximação com a Rússia, se estenderam a todo o país e se tornaram uma revolta para pedir sua demissão. Após a ocupação, na madrugada de segunda-feira, da sede do ministério da Justiça em Kiev, as autoridades ameaçaram decretar estado de emergência. Mas, horas depois, o ministro de Relações Exteriores desmentiu a informação. "Não há intenção de decretar estado de emergência. Esta medida está fora de cogitação", disse Leonid Kojara durante coletiva de imprensa.

O prédio do ministério da Justiça, um dos muitos edifícios públicos nas mãos dos manifestantes no centro de Kiev, foi evacuado mas vários homens continuam impedindo o acesso na porta. Os líderes da oposição disseram em comunicado conjunto estarem dispostos a negociar "apesar da tentativa das autoridades de abandonar as negociações e declarar estado de emergência".


Bookmark and Share


Fonte: AFP






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.