Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
13ºC
Amanhã
16º 20º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

05/02/2014 21:04 - Atualizado em 05/02/2014 21:17

Senado adia votação de mudança no indexador da dívida dos Estados

Plenário rejeitou retirada de emendas e devolveu projeto para comissões

Governador do RS acompanhou votação com senadores gaúchos<br /><b>Crédito: </b> Caroline Bicocchi/Palácio Piratini/Divulgação CP
Governador do RS acompanhou votação com senadores gaúchos
Crédito: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini/Divulgação CP
Governador do RS acompanhou votação com senadores gaúchos
Crédito: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini/Divulgação CP

O Plenário do Senado devolveu para as comissões o projeto de lei que mudaria o indexador da dívida dos Estados. Depois de muita discussão, foi rejeitada a retirada de emendas apresentadas pelo senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). Dessa forma, o PLC 99/2013 voltará ao exame das Comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e de Assuntos Econômicos.

As duas comissões têm prazo conjunto de 15 dias úteis para dar parecer sobre as emendas. Esse prazo pode ser prorrogado pelo mesmo período por iniciativa do presidente de cada comissão. Para uma nova prorrogação é necessária a deliberação do Senado. O líder do PSDB, senador Aloysio Nunes Ferreira (SP), criticou a postura da base do governo de votar contra o requerimento.

Já  o líder do governo, senador Eduardo Braga (PMDB-AM) tranquilizou os colegas parlamentares dizendo que o projeto tem prazo para voltar à pauta do Plenário. "Se mantivermos as emendas propostas, o projeto não sai de pauta, em primeiro lugar, e, em segundo lugar, ele tem prazo de, em 30 dias, obrigatoriamente, voltar para a pauta", comentou.

O líder do PT, Humberto Costa (PE), também assegurou que a proposta voltará a ser examinada no Plenário depois que passar pelas comissões, pois, segundo ele, esse é um compromisso dos líderes do governo, do PT, do PMDB e do presidente do Senado.

O senador Randolfe Rodrigues salientou que sua simples vontade de retirar as emendas deveria bastar, mas que houve um subterfúgio regimental para atrasar a votação do projeto. Ele chegou a cobrar dos colegas que votaram na manutenção das emendas que depois as apoiem na discussão do mérito.

Bookmark and Share

Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.