Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 10/02/2014
  • 15:37
  • Atualização: 15:39

Outro médico cubano abandona o Programa Mais Médicos

Ortelio Jaime Guerra publicou uma mensagem dizendo que estaria nos EUA

Ortelio Jaime Guerra publicou uma mensagem dizendo que estaria nos EUA | Foto: Reprodução / Facebook / CP

Ortelio Jaime Guerra publicou uma mensagem dizendo que estaria nos EUA | Foto: Reprodução / Facebook / CP

  • Comentários
  • AE

O Programa Mais Médicos registra um novo caso de deserção. O médico cubano Ortelio Jaime Guerra abandonou há pelo menos uma semana a cidade paulista de Pariquera-Açu, onde prestava atendimento. Em mensagem postada em rede social nesta segunda-feira, o médico informa que estaria agora nos Estados Unidos. No texto, afirma não ter comunicado os amigos a partida por "questões de segurança".

O secretário de Saúde de Pariquera-Açu, Willian Rodrigo Virgínio de Souza, confirmou a saída de Ortelio, mas não quis entrar em detalhes sobre a data do ocorrido. Questionado, o Ministério da Saúde também informou que Ortelio era intercambista, mas não detalhou as condições em que ele saiu do programa nem revelou seu paradeiro.

Na semana passada, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, havia dito que já foram registradas desistências de cubanos do Mais Médicos. Mas todos teriam retornado para aquele país. Ortelio ingressou no programa em dezembro de 2013. Na sua mensagem de despedida, postada na rede social, ele agradece pessoas próximas com quem trabalhou e pede desculpas pelo português. "Nao tivei muito tempo pra perfeccionarlo", diz.

Este é o segundo caso de saída de intercambistas cubanos do Mais Médicos em menos de uma semana. Na terça-feira passada, a cubana Ramona Matos Rodrigues pediu abrigo na liderança do DEM depois de fugir da cidade de Pacajá, no Pará, onde prestava assistência à população. Ramona afirmou que a decisão foi tomada depois de obter conhecimento de que o Ministério da Saúde repassa mensalmente para os médicos que atuam no programa o equivalente a R$ 10 mil. Recrutada por meio de um convênio firmado entre Organização Pan-Americana (Opas) e Cuba, Ramona disse receber o equivalente a US$ 400.

Bookmark and Share