Porto Alegre, quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

  • 12/02/2014
  • 18:07
  • Atualização: 18:20

Manifestantes do MST ocupam gramado em frente ao Congresso Nacional

Polícia Militar fez um cordão de isolamento do prédio

Manifestantes em frente ao Congresso Nacional | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP

Manifestantes em frente ao Congresso Nacional | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP

  • Comentários
  • Agência Brasil

Os manifestantes do Movimento dos Sem Terra (MST) fizeram breve parada no gramado em frente ao Congresso Nacional antes de seguirem de volta ao Ginásio Nilson Nelson, onde estão reunidos. A Polícia Militar fez um cordão de isolamento do prédio, mas não houve confronto e a marcha permaneceu apenas alguns minutos no gramado.

Mais cedo, os manifestantes desceram a Esplanada dos Ministérios e ocuparam a Praça dos Três Poderes antes de ocupar o quadrilátero em frente ao Parlamento. Quando chegaram à praça houve confronto com a PM. Os manifestantes derrubaram as grades laterais do Congresso e avançaram em direção ao prédio. A Polícia Militar reagiu e houve confronto. Pelo menos um trabalhador do MST foi agredido e outro foi preso por agredir um PM. O MST reagiu jogando pedaços de paus e pedras e a polícia respondeu com bombas de gás.

Segundo o 1º tentente da PM, Mikhail Muniz, o protesto reúne 15 mil manifestantes e 12 polícias ficaram feridos no confronto e foram encaminhados para atendimento médico.

Os sem terra estão em Brasília para participar do Congresso Nacional do MST, que começou segunda-feira e vai até sexta-feira, com a presença de mais de 15 mil trabalhadores de 23 estados e 250 convidados internacionais. Entre os objetivos do encontro estão um balanço da atual situação do movimento, a discussão de novas formas de luta pela terra, pela reforma agrária e por transformações sociais. Também são discutidos o papel político dos assentamentos e a participação da mulher e dos jovens no movimento. O protesto de hoje é uma marcha com o objetivo de cobrar mais rapidez na reforma agrária no Brasil.

Bookmark and Share