Porto Alegre, quinta-feira, 18 de Dezembro de 2014

  • 13/03/2014
  • 18:37
  • Atualização: 19:01

Em meio a tensão com a base, Dilma anuncia troca de seis ministérios

Gaúcho Miguel Rossetto foi confirmado na Pasta de Desenvolvimento Agrário

Gaúcho Miguel Rossetto foi confirmado na Paste de Desenvolvimento Agrário | Foto: Bruno Alencastro / CP Memória

Gaúcho Miguel Rossetto foi confirmado na Paste de Desenvolvimento Agrário | Foto: Bruno Alencastro / CP Memória

  • Comentários
  • AE

Em meio à crise com integrantes da base aliada no Congresso, a presidente Dilma Rousseff anunciou nesta quinta-feira mudanças na composição da Esplanada dos Ministérios. A previsão é de que a posse dos novos ministros ocorra na próxima segunda-feira, às 10h, em cerimônia no Palácio do Planalto. Em nota divulgada pela Secretaria de Comunicação foram confirmadas as seguintes mudanças:

Agricultura
O atual secretário de política Agrícola, Neri Geller, assume no lugar do ministro da Agricultura, Antônio Andrade (PMDB-MG).

Turismo
O assessor internacional do Sebrae, Vinícius Nobre Lages, assume a pasta do Turismo no lugar de Gastão Vieira (PMDB-MA).

Cidades
O vice-presidente de governo da Caixa Econômica, Gilberto Occhi, passa a ocupar a vaga do ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

Desenvolvimento Agrário
O atual presidente da Petrobrás Biocombustível, Miguel Rossetto, assume o comando do Ministério de Desenvolvimento Agrário no lugar de Pepe Vargas (PT-RS)

Ciência e Tecnologia
O ex-reitor da Universidade de MG Clélio Campolina Diniz ocupará o Ministério de Ciência e Tecnologia na lugar de Marco Antônio Raupp.

Pesca
O senador Eduardo Lopes (PRB-RJ) assume o Ministério da Pesca no lugar de Marcelo Crivella (PRB).

Os ministros que desembarcam da Esplanada ficam livres para iniciar pré-campanha para disputar as próximas eleições de outubro. A dança das cadeiras anunciada pela presidente ocorre num momento em que integrantes da base aliada no Congresso se queixam de falta de espaços no governo e de atrasos na liberação de emendas para tentarem atender aos pleitos das bases eleitorais nos Estados.

Com a divulgação dos novos ministros, Dilma tenta desarmar o espírito beligerante de parte dos aliados. Avisados de que seriam atendidos na reforma ministerial, o PP e mais recentemente o PROS anunciaram que não farão parte do "blocão" da Câmara, composto por partidos descontentes com o Palácio do Planalto.

O grupo, capitaneado pelo líder do PMDB da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), impôs nos dois últimos dias uma série de derrotas ao governo com a aprovação de propostas que desagradam Dilma, como os convites e convocações a 10 ministros e à presidente da Petrobrás, Graça Foster, para prestar esclarecimentos no Congresso. Detentores da indicação para Agricultura e Turismo, os deputados do PMDB alegam que não foram ouvidos por Dilma.

Bookmark and Share