Porto Alegre, sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

  • 27/03/2014
  • 13:03
  • Atualização: 13:23

Paralisação atinge 12 postos de saúde administrados pelo GHC e UPA

Segundo gerente de RH, todas as cláusulas reivindicadas pela categoria foram atendias pelo hospital

  • Comentários
  • Claudio Isaías / Correio do Povo

O presidente do Sindisaúde, Arlindo Ritter, informou nesta quinta-feira que a paralisação dos servidores do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) afeta também os 12 postos de saúde administrados pelo GHC e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Moacyr Scliar, mas consultas marcadas para esta quinta foram realizadas. A greve afeta funcionários de 14 categorias dos hospitais, entre eles farmacêuticos e enfermeiros. Apenas médicos e odontólogos não participam do movimento.

Segundo Ritter, a categoria reivindica aumento real de salário de 4% para todas as categorias profissionais, retroativo a data base de 2013. Os funcionários pedem ainda a concessão de gratificação, jornada de 30 horas e o pagamento de anuênios. Além disso, a categoria quer a contratação de novos funcionários e plano de saúde para todos os servidores e familiares.

No Hospital Conceição, representantes da direção e servidores grevistas chegaram a discutir na manhã de ontem sobre a presença de um carro de som em frente à instituição de saúde. O acesso de pacientes ao local foi liberado. No entanto, a categoria decidiu restringir o acesso de ambulâncias. O presidente da Associação dos Servidores do GHC, Valmor Guedes, informou que as paralisações nos dias 11 e 20 de março não surtiram efeito para que a direção do grupo abrisse negociação. “Tínhamos esperança que não chegaria a esse ponto. Mas a direção do hospital não abre diálogo”, explicou Guedes.

O gerente de Recursos Humanos do GHC, José Pedro da Luz, informou que a adesão ao movimento foi fraca e que os setores de ambulatório e emergência funcionaram normalmente nesta quinta-feira. Segundo Luz, o hospital possui a maior média salarial de todos os hospitais do Rio Grande do Sul e que todas as cláusulas reivindicadas pela categoria foram atendias pelo hospital. O GHC possui 4,6 mil funcionários.

Greve

Os servidores do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) entraram em greve por tempo indeterminado nesta quinta-feira. Somente os casos graves e de risco de vida foram atendidos pelos funcionários do Nossa Senhora da Conceição, do Cristo Redentor e do Fêmina. Nas situações menos complexas, os trabalhadores informavam ao público que procurassem outras instituições de saúde. Os funcionários decidiram manter somente o atendimento no hospital Criança Conceição por se tratar de casos que envolvem crianças.

Bookmark and Share


TAGS » Greve, Saúde, Hospital, GHC