Correio do Povo

Porto Alegre, 22 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
21º 31º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

30/03/2014 12:20 - Atualizado em 30/03/2014 12:44

Moradores pedem melhorias sociais após ocupação no Rio

Complexo da Maré foi tomado por policiais neste domingo

Moradores pedem melhorias sociais após ocupação no Rio<br /><b>Crédito: </b> Yasuyoshi Chiba / AFP / CP
Moradores pedem melhorias sociais após ocupação no Rio
Crédito: Yasuyoshi Chiba / AFP / CP
Moradores pedem melhorias sociais após ocupação no Rio
Crédito: Yasuyoshi Chiba / AFP / CP

Os moradores do Complexo da Maré reivindicaram melhorias sociais após a ocupação do conjunto de cinco favelas no Rio de Janeiro neste domingo. Um grupo, sentado na sombra, em frente à uma residência na Favela Nova Holanda, apoiava a ação, mas pedia melhorias na comunidade. “Queremos mais creches, pois é muito difícil encontrar vagas para os nossos filhos”, pediu uma moradora.

• Justiça autoriza revista a casas no Complexo da Maré

“Falta uma Unidade de Pronto Atendimento mais próxima, porque a única que tem fica na Vila do João e lá nós não podemos entrar”, disse um morador, que trabalha em lanchonete, referindo-se ao impedimento que a população tinha de transitar de um lado para outro do Complexo da Maré, que era dividido entre duas facções de traficantes.

Outra reivindicação é a volta das escolas em tempo integral, como funcionavam os Cieps. “Eu estudei lá quando era criança e era muito bom. Depois acabaram com isso e ficou difícil de continuar”, disse um jovem, de 20 anos, que parou na 5ª série. Além disso, o grupo pedia melhorias na quadra de futebol, que já teve grama sintética, mas hoje está cheia de buracos.

As forças de segurança estadual e federal ocuparam em cerca de 15 minutos o Complexo de Favelas da Maré, em operação iniciada às 5h. Um total de 1.180 PMs e 130 policiais civis, receberam apoio de policiais federais, policiais rodoviários e de 250 fuzileiros navais.

Nenhum tiro foi disparado durante a progressão das forças de segurança na área, formada por 15 favelas, onde moram cerca de 120 mil pessoas. As ruas que, nas primeiras horas, ficaram desertas, com as casas fechadas, aos poucos foram retomando o movimento caraterístico de uma manhã de domingo.

Os moradores olhavam o movimento das janelas de casa ou reunidos nas esquinas. Grupos de policiais civis, acompanhados por delegados, revistavam residências, amparados por um mandado coletivo de busca e apreensão.

Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.