Porto Alegre, sábado, 20 de Dezembro de 2014

  • 31/03/2014
  • 10:13
  • Atualização: 10:25

Navio australiano vai procurar caixas-pretas do voo MH370

Primeiro devem ser recuperados destroços do avião que caiu no oceano Índico

Autoridades falam sobre o equipameto que será utilizado nas buscas | Foto: AFP / CP

Autoridades falam sobre o equipameto que será utilizado nas buscas | Foto: AFP / CP

  • Comentários
  • AFP

O navio australiano "Ocean Shield", equipado com material específico para detectar as "caixas-pretas" de aviões, zarpou nesta segunda-feira com o objetivo de tentar encontrar os equipamentos do voo MH370.

Especialistas, no entanto, advertiram que primeiro devem ser recuperados destroços da aeronave para delimitar a zona de busca. A missão de busca de evidências físicas do Boeing 777 da Malaysia Airlines, que tinha 239 pessoas a bordo e caiu no oceano Índico, não teve sucesso até o momento, apesar da grande operação, que conta com o apoio de sete países.

Satélites detectaram objetos flutuantes em uma vasta região marítima, mas os que foram recuperados até o momento eram material de pesca perdido ou simples peças de outra natureza. A busca foi retomada nesta segunda-feira de forma intensiva em uma ampla região do Índico meridional, equivalente à superfície da Noruega, com 10 aviões dos países que participam nas tarefas (Austrália, China, Japão, Nova Zelândia, Malásia, Coreia do Sul e Estados Unidos).

Dez navios, a maioria chineses, também estão na região desolada, que praticamente não registra um tráfego marinho, localizada 1.850 quilômetros ao oeste de Perth (Austrália) em busca de elementos.

O "Ocean Shield" está equipado com um sistema de busca especial de 'caixas-pretas' fornecido pelos Estados Unidos, conhecido como localizador Pinger, e um pequeno submarino autônomo que pode rastrear o fundo do mar com sensores eletrônicos, participam nas buscas.

O capitão Mark Matthews, da Marinha americana, disse que primeiro é necessário identificar o local aproximado do acidente para permitir a eficiência dos aparelhos. "É muito importante que encontremos destroços na superfície do mar para poder delimitar a área da busca submarina", disse.

Bookmark and Share