Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Outubro de 2014


Porto Alegre
Agora
14ºC
Amanhã
14º 21º


Faça sua Busca


Notícias > Geral > Saúde

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

01/04/2014 15:37 - Atualizado em 01/04/2014 15:39

Sindicato garante que atendimento é normal apesar de greve no GHC

Presidente do Sindisaúde voltou a negar cancelamento de cirurgias eletivas em função da paralisação

 No sexto dia da greve dos servidores do Grupo Hospitalar Conceição (GHC), o sindicato dos trabalhadores garante que o atendimento ocorre normalmente nos quatro hospitais do grupo na Capital. O presidente do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnicos, Duchistas, Massagistas e Empregados em Hospitais e Casas de Saúde do Rio Grande do Sul (Sindisaúde-RS), Arlindo Ritter, ressaltou que pacientes dos hospitais Nossa Senhora da Conceição, Criança Conceição, Fêmina e Cristo Redentor, assim como da Unidade de Pronto Atendimento Moacyr Scliar e dos 12 postos administrados pelo GHC estão sendo recebidos para cirurgias e exames.

No caso dos procedimentos cirúrgicos, Ritter adverte, porém, que há prioridade para os de emergência. Ele voltou a negar que a paralisação esteja afetando as cirurgias, como sustenta o GHC. O dirigente sindical destacou que antes mesmo da deflagração da greve já havia problemas para realizá-las, em razão da falta de materiais, como anestésico, luvas e agulhas.

O presidente ressaltou, ainda, que está sendo cumprido o acordado com o Ministério Público, de não impedir o acesso às emergências e ambulatórios das unidades de saúde. Além disso, as triagens para classificação de risco voltaram a ocorrer dentro dos locais pelas equipes de enfermagem, e não nos pontos onde há piquete.

A assessoria do GHC informou que, de quinta a segunda-feira, 190 pacientes deixaram de ser atendidos em função da greve. Desses, 107 tinham cirurgias agendadas e 83 consultas.

Servidores de 14 categorias, exceto médicos e dentistas, devem manter a paralisação até que haja acordo com a direção do grupo. Eles pedem reajuste salarial de 4% e no vale-alimentação, com equiparação ao do Hospital de Clínicas, mais contratações, entre outras demandas.

Bookmark and Share


Fonte: Camila Kila / Rádio Guaíba





» Tags:Saúde

O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.