Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Agosto de 2014


Porto Alegre
Agora
12ºC
Amanhã
14º 28º


Faça sua Busca


Notícias > Geral > Saúde

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

02/04/2014 18:35

Hospital defende medida judicial que obrigou gestante a fazer cesariana

Diretor explica que a posição comprometia a realização do parto normal, como queria a mãe

 Depois de recorrer à Justiça para submeter uma mulher à cesariana em Torres, no litoral Norte, a instituição de saúde defendeu a atitude. O diretor técnico do Hospital Nossa Senhora dos Navegantes, Marcelo Fagundes, fala que havia riscos à vida da mãe e do bebê, e por isso a equipe médica tomou a decisão. Ele explica que Adelir Carmem Lemos de Goes, de 29 anos, procurou o hospital na tarde de segunda-feira. A gestante, que já tinha 42 semanas de gestação, reclamou de dores no abdômen e nas costas, sinalizando o início do trabalho de parto, segundo Fagundes.

A obstetra plantonista examinou a mulher e realizou ecografia, que mostrou que pela posição do feto, em pé, a criança corria risco de morrer asfixiada durante o parto. O diretor explica que a posição comprometia a realização do parto normal, como queria Adelir. Além disso, ele fala que o risco era ainda maior, com chance de sangramento e rompimento do útero, pelo fato de ela estar no prazo limite normal para o parto e já ter sido submetida a outras duas cesarianas.

Mesmo informada da situação, a mulher decidiu não realizar o procedimento conforme recomendado, e assinou um termo para ser liberada do hospital. Em seguida, a equipe médica decidiu comunicar o Ministério Público sobre o ocorrido, a fim de evitar ser responsabilizada pelas possíveis complicações do parto. O promotor Octavio Noronha solicitou os prontuários médicos e ingressou com a medida de proteção judicial.

A juíza Liniane Mog da Silva determinou, então, o retorno da gestante ao hospital. Com apoio da Brigada Militar, Adelir foi conduzida à instituição na madrugada de terça-feira, onde foi reexaminada e submetida à cesariana. Fagundes ressaltou que foram constatados sinais de sofrimento fetal, comprovando a necessidade de indução imediata do parto.

A menina, batizada de Yuja Kali, nasceu saudável, com 3.650 kg e 49 cm. Ela e a mãe devem receber alta nesta quinta-feira.

Bookmark and Share


Fonte: Rádio Guaíba





» Tags:Saúde Geral

O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.