Correio do Povo

Porto Alegre, 21 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
11º 19º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

15/04/2014 12:31 - Atualizado em 15/04/2014 12:41

Relatório omitiu cláusulas sobre Pasadena, afirma Graça Foster

Em depoimento no Senado, presidente da Petrobras disse que não há operação 100% segura

Em depoimento no Senado, presidente da Petrobras disse que não há operação 100% segura<br /><b>Crédito: </b> Antônio Cruz / Agência Brasil / CP
Em depoimento no Senado, presidente da Petrobras disse que não há operação 100% segura
Crédito: Antônio Cruz / Agência Brasil / CP
Em depoimento no Senado, presidente da Petrobras disse que não há operação 100% segura
Crédito: Antônio Cruz / Agência Brasil / CP

A presidente da Petrobras Maria das Graças Foster afirmou nesta terça-feira, no Senado, que em nenhum momento foram citadas duas cláusulas no resumo executivo para justificar a operação de compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA). Em depoimento a duas comissões do Senado, ela disse que as cláusulas Put Option e a Marlim não constavam do resumo.

Segundo Graça, a autorização para a compra de 50% da operação foi estimada no valor de 359 milhões de dólares. Presidente ainda disse que não há operação 100% segura. "Ele (o resumo) deve conter todas as informações necessárias e suficientes para a devida avaliação do que se deve fazer. E, além disso, é necessário apontar os pontos fortes e fracos da operação. Não tem operação 100% segura", destacou.

Conforme reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, Dilma votou, quando comandava o Conselho de Administração da estatal, a favor da operação mesmo tendo se embasado em um resumo falho e incompleto. Em 2012, a estatal concluiu a compra da refinaria e pagou ao todo mais de 1,2 bilhão de dólares por Pasadena, que, sete anos antes, havia sido negociada por 42,5 milhões de dólares à ex-sócia belga, como havia relevado o Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado.

A compra se embasou em resumo feito pelo ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró. Numa referência indireta a Cerveró, Graça disse que é obrigação de quem apresenta o projeto mostrar os pontos fracos e fortes. Graça esclareceu que "Put" é cláusula bastante comum em contratos, "mas é preciso conhecer também o put price (preço de saída)". Já quanto a cláusula de Marlin, afirmou que foi imposta ao parceiro, quando a refinaria fosse reformada.

Importância

Graças Foster, afirmou ainda que a refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), é de "grande importância por estar dentro do maior mercado consumidor de combustível". Em depoimento a duas comissões do Senado, ela disse que o consumo de gasolina nos Estados Unidos por dia é de 8,5 milhões de barris. No Brasil, a título de exemplo, são 736 mil barris diários. "Tudo isso mostra o quanto são volumosas as atividades", destacou.

Segundo Graça , o propósito de se estar em Pasadena era capturar a grande margem do óleo pesado nos Estados Unidos e melhorar o processo de refino.

Preços convergentes 

Graças Foste explicou aos senadores que a forte depreciação do real nos últimos anos prejudicou a companhia, já que causou uma divergência entre os preços internos dos derivados de petróleo e os preços internacionais.

"Trabalhamos pela política de preços e nós devemos buscar essa convergência. Nós tivemos diversos aumentos de preços nos últimos dois anos e teve uma depreciação significativa do real e nós perdemos essa convergência", observou ela, em audiência pública a duas comissões temáticas do Senado. Segundo Graça, já será possível a partir de 2015 melhorar os resultados da estatal.


Bookmark and Share

Fonte: AE






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.