Porto Alegre, sábado, 25 de Outubro de 2014

  • 24/04/2014
  • 18:49

STF absolve Fernando Collor por desvio de dinheiro

Acusação do MPF refere-se ao período em que o atual senador foi presidente, entre 1991 e 1992

Acusação do MPF refere-se ao período em que o atual senador foi presidente, entre 1991 e 1992  | Foto: Divulgação Plenário / CP Memória

Acusação do MPF refere-se ao período em que o atual senador foi presidente, entre 1991 e 1992 | Foto: Divulgação Plenário / CP Memória

  • Comentários
  • Agência Brasil

O Supremo Tribunal Federal (STF) absolveu nesta quinta-feira o ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL), acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de desvio de verbas públicas. A acusação refere-se ao período em que o atual senador foi presidente da República, entre 1991 e 1992, ano do impeachment que determinou o final do seu governo.

Por maioria, os ministros seguiram voto da relatora da ação penal, Cármen Lúcia. Segundo a ministra, faltam provas que demonstrem a participação de Collor nos supostos desvios de verbas de publicidade.

De acordo com denúncia apresentada pelo MPF, foi instaurado no governo do ex-presidente “um esquema de corrupção e distribuição de benesses com dinheiro público” por meio de contratos de publicidade. Segundo o órgão, o esquema envolvia Collor e empresários.

Os procuradores relatam que o esquema consistia no pagamento de propina de empresários aos agentes públicos para que eles saíssem vencedores em licitações de contratos de publicidade e propaganda com o governo. De acordo com o MPF, o dinheiro era depositado em contas bancárias em nome de laranjas.

Durante o julgamento, a vice-procuradora da República, Ela Wiecko, pediu a condenação de Collor com base na Teoria do Domínio do Fato, argumentação usada pelo Ministério Público para condenar o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

Segundo a procuradora, as provas confirmam que Collor tinha conhecimento dos desvios, porque o sistema de publicidade do governo era centralizado na Presidência da República. Ela Wiecko lamentou a absolvição. “È triste não só para o Ministério Público, mas para a sociedade. Se há um reconhecimento de que houve uso de (contas) fantasmas, que as licitações foram fraudadas, em um passe de mágica, tudo isso acabe em absolvição”, afirmou.

A defesa do ex-presidente afirmou que a denúncia apresentada pelo Ministério Público é genérica e não apontou a participação de Collor nos fatos. Segundo o advogado Rogério Marcolini, Collor não recebeu vantagens financeiras, e todos os outros envolvidos foram absolvidos na primeira instância da Justiça.

A defesa também afirmou que a Presidência não fazia as contratações das empresas de publicidade, apenas aprovava os projetos de órgãos do governo, conforme a política de comunicação. “A Presidência da República, ou o gabinete, não tinham o controle, ou o domínio final sobre as contratações”, afirmou o advogado.

A denúncia contra o ex-presidente foi recebida pela Justiça de primeira instância em 2000 e chegou ao STF, em 2007. O processo foi distribuído para o ministro Menezes Direito, mas com a morte do magistrado, em 2009, o processo passou para relatoria da ministra Cármen Lúcia.

Em novembro do ano passado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF rapidez no julgamento da ação penal. Devido à demora do Judiciário para julgar o caso, a denúncia de falsidade ideológica prescreveu antes do julgamento.

Bookmark and Share