Correio do Povo

Porto Alegre, 23 de Julho de 2014


Porto Alegre
Agora
17ºC
Amanhã
14º 23º


Faça sua Busca


Notícias > Política

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

29/04/2014 07:06 - Atualizado em 29/04/2014 07:12

Senado vai discutir entrada da PF na morte do coronel Malhães

Militar prestou depoimento e relatou ter participado de prisões e torturas na ditadura

O presidente da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro, Wadih Damous, participa nesta terça-feira, da reunião da Comissão de Direitos Humanos do Senado, a convite da senadora Ana Rita Esgário (PT-ES), em que será discutida a entrada da Polícia Federal (PF) na apuração das circunstâncias da morte do coronel reformado do Exército Paulo Malhães. No mês passado, o militar prestou depoimento à Comissão Nacional da Verdade, em que relatou ter participado de prisões e torturas durante a ditadura militar. No depoimento, o oficial disse também que foi o encarregado, quando era lotado no Centro de Informações do Exército (CIE), de desenterrar e sumir com o corpo do deputado Rubens Paiva, desaparecido em 1971.

• Comissão da Verdade pede apuração da morte de Malhães

Durante a reunião no Senado, o presidente da Comissão da Verdade do Rio vai defender a entrada da Polícia Federal na apuração da morte do militar. “As controvérsias em torno da morte do coronel reformado Paulo Malhães alimentam suspeitas em torno do laudo médico no qual a causa mortis é descrita como “edema pulmonar, isquemia do miocárdio, miocardiopatia hipertrófica, evolução de estado mórbido (doença). Tudo isso é muito estranho. A investigação e a conclusão sobre a morte de Malhães não podem ser baseadas apenas nessa perícia”, alertou o advogado Wadih Damous, presidente da Comissão da Verdade do Rio. “É preciso ouvir novamente a mulher de Malhães, sua filha, o caseiro e outras pessoas.”

Segundo Damous, a morte de Malhães não pode ser vista como um caso comum. “Do meu ponto de vista, pelo passado dele e pelo que representou, o caso deveria ter tido um acompanhamento federal. Não pode ser tratado como mera tentativa de assalto”, disse. “Por isso, defendo que a Polícia Federal acompanhe”, concluiu.

Bookmark and Share


Fonte: Agência Brasil






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.